Notícias | Dia a dia
Djoko diz que nova associação não concorre com ATP
29/08/2020 às 20h11

Djokovic é um dos líderes do movimento que visa criar uma nova associação de jogadores

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Nova York (EUA) - Apesar do título do Masters 1000 de Cincinnati neste sábado, o principal assunto na entrevista de Novak Djokovic foi a criação de uma associação de jogadores paralela. O número 1 do mundo confirmou a movimentação que está sendo feita por parte de tenistas insatisfeitos com a atual liderança da ATP, sob o comando do italiano Andrea Gaudenzi.

Djokovic também esclareceu alguns pontos: Ele diz que a nova entidade tem aparato legal para funcionar e não vai concorrer com a ATP, no sentido de promover torneios. Com nome de Professional Tennis Players Association (PTPA), o grupo visa cuidar exclusivamente dos interesses dos jogadores nas negociações do circuito.

"Li na carta da ATP que eles acham que não podem coexistir com a associação. Eu tenho que discordar respeitosamente. Legalmente, estamos 100% seguros e autorizados a formar uma associação de jogadores. Isso não é um sindicato, não estamos pedindo boicotes. E não estamos formando circuitos paralelos", disse Djokovic, na videoconferência com jornalistas.

+ Djokovic vira o jogo e conquista 35º Masters e 80º ATP
+ Federer e Murray não aderem à associação paralela
+ Nadal é contrário à nova associação de jogadores

O sérvio também comentou sobre as negativas de Roger Federer e Rafael Nadal, também integrantes do Conselho da ATP. Além deles, Andy Murray também não é signatário do grupo, citando entre suas razões que as mulheres não foram consultadas. "Adoraria ter Roger e Rafa a bordo. Adoraria ter todos os jogadores a bordo, mas entendo", explica o líder do ranking. "Eles não acham que é a hora certa. Eu acho que é a hora certa. A hora é sempre certa. É como ter um bebê. A hora nunca é certa ou sempre é certa".

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

After today’s successful meeting, we are excited to announce the beginning of the Professional Tennis Players Association (PTPA). The first player only association in tennis since 1972. #PTPA

Uma publicação compartilhada por Novak Djokovic (@djokernole) em

Sérvio enviou carta aos jogadores
Na última sexta-feira, Djokovic havia enviado uma carta aos demais jogadores elencando as razões para a criação de uma associação de atletas. "Tenho participado da 'política do tênis' através do conselho de jogadores nos últimos 10 ou 15 anos. Já vi 4 ou 5 presidentes diferentes e muitos representantes do conselho. Saibam que o projeto de uma associação de jogadores não é novo. É uma ideia que circula nos bastidores do circuito há 30 anos. Muitos jogadores em diferentes gerações tentaram estabelecer uma união, que permitiria uma representação melhor e mais forte no ecossistema do tênis".

+ Djokovic, Pospisil e Isner vão sair do Conselho da ATP
+ Direção da ATP diz que o momento é de união
+ Jogadores insatisfeitos querem criar ATP paralela

"Até agora ninguém conseguiu concretizar esta associação. Existem muitos motivos e fatores pelos quais isso não aconteceu. Mas provavelmente o maior motivo é porque os jogadores não estavam unidos. A estrutura ATP é ruim para jogadores. Não acho que a estrutura e o sistema ATP estejam ajudando os tenistas. Já foi provado muitas vezes no passado que esse sistema vai contra nós", afirmou o sérvio de 33 anos, que era presidente do Conselho dos Jogadores, mas deixou o cargo. 

"Não estou culpando ninguém individualmente. Vários presidentes tentaram fazer coisas diferentes ao longo dos anos. E é claro que algumas coisas boas foram feitas para o nosso circuito, sem dúvida. Mas eu acho que a maioria de vocês que estão no circuito há bastante tempo concordaria que os jogadores não são tratados e considerados como deveriam", complementou o atual líder do ranking.

+ Osaka: 'Queria criar consciência na bolha do tênis'
+ Osaka é mantida na chave de Cincy e joga na sexta

+ Rodada desta quinta-feira em Cincy é cancelada

Em sua carta, Djokovic também elencou exemplos de sua insatisfação. Um deles foi o cancelamento da rodada da última quinta-feira de Cincinnati, em respeito aos protestos contra o racismo e violência policial nos Estados Unidos. As manifestações começaram por outras ligas do esporte americano, como a NBA e a MLB (beisebol), e chegaram ao tênis por meio de Naomi Osaka.

"Por exemplo, essa semana o CEO da ATP decidiu em 5 minutos que iria cancelar uma rodada. Ninguém entrou em contato comigo ou com qualquer outro jogador que ainda estava no torneio. Achei isso muito desrespeitoso e errado. Claro, este é apenas um exemplo. Há muitos. Tenho feito parte do Conselho porque esta plataforma era a única em que podemos lutar pelos direitos dos jogadores", disse Djokovic, que já estreia na segunda-feira no US Open.

"Mas quem conhece como essa estrutura funciona sabe que o conselho de jogadores não está tomando nenhuma decisão. Nós escolhemos os nossos representantes, mas nos últimos 10 anos algumas decisões importantes foram contra o interesse da maioria dos jogadores. E como vocês sabes, outros três membros do Conselho são representantes dos torneios. É por isso que estamos lutando tanto com os Grand Slam por premiação, direitos de TV, discussões de calendário, obrigações nos Masters 1000 e etc".

Vitória contra Raonic na final
A respeito da vitória sobre Milos Raonic neste sábado na final de Cincinnati, o sérvio reconheceu que não estava tão bem no primeiro set, muito por conta dos problemas físicos. "Nos últimos três ou quatro dias, eu sofri um pouco com a minha condição física, mas consegui superar isso. Foi um jogo muito duro e que poderia ter ido para qualquer um", disse após vencer por 1/6, 6/3 e 6/4.

"No primeiro set, obviamente, ele estava jogando muito bem e eu cometi algumas faltas duplas e dei duas oportunidades para ele", disse o sérvio, que venceu todos os 11 jogos que fez contra Raonic. "É sempre difícil jogar contra o Milos. Ele tem um dos melhores saques do circuito e coloca muita pressão nos seus games de serviço".

Invicto na temporada, com 23 vitórias, ele também destaca esse fator. "Continuar invicto até agora no ano, obviamente, traz ainda mais confiança a cada partida. Estou tentando aproveitar ao máximo a minha carreira, ainda mais quando sinto que estou no meu auge físico, mental, emocional, e em termos de jogo".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva