Notícias | Dia a dia
Konta muda rotina e pega carro para fugir da Covid
10/08/2020 às 10h47

Lexington (EUA) - Cabeça de chave número 3 no WTA de Lexington, a britânica Johanna Konta resolveu inovar na viagem de Londres até o torneio disputado no estado do Kentucky. Por causa do coronavírus, ela preferiu fugir das aglomerações, diminuiu ao máximo o tempo que ficaria em aeroportos e em aviões e resolveu encarar uma viagem de quase 600 km de carro.

“Cheguei aos Estados Unidos na quinta-feira, voei de Londres a Chicago e então alugamos um carro e dirigimos de Chicago até aqui. Vamos manter esse carro e dirigir até Nova York, só para realmente diminuir o tempo que passo em aeroportos e aviões e ficar o mais vigilante possível”, afirmou a britânica, que depois enfrentará mais 1.150 km de estrada para chegar ao US Open.

Apesar de acompanhar as notícias do coronavírus pelo mundo de casa, Konta disse ter ficado impactada ao vivenciar isso durante a viagem. "É uma das coisas que foram bastante chocantes quando cheguei. Sabia que era uma pandemia global, mas ver e sentir os diferentes protocolos em vigor é bem diferente”, contou a tenista de 29 anos.

“Quando chegamos aqui, estávamos dirigindo e tivemos que parar para comer e havia uso de máscaras e telas dentro, é uma realidade interessante bem diferente”, acrescentou a britânica, que espera cooperação de todos os envolvidos no circuito para que as contaminações não aconteçam.

“É uma situação muito complicada, pois quando você reúne um grupo de jogadores é muito difícil exigir o mesmo nível de conduta de todos. Cada um interpreta as coisas de forma diferente, cada um terá diferentes níveis de ansiedade em relação à situação. Contanto que todos pratiquem o bom senso e entendam que tudo foi feito para nos manter seguros e manter o evento seguro para que possamos jogar, esse é o ponto”, afirmou.

Konta ainda falou sobre a disputa do Grand Slam norte-americano. “Eu não olhei para a lista, estou vivendo um dia de cada vez. Haverá muitos ajustes para voltar ao ritmo das coisas. O US Open está colocando esses protocolos para tentar realizar um evento seguro e bem-sucedido”, encerrou a 15ª do mundo, que estreia em Lexington contra a tcheca Marie Bouzkova.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva