Notícias | Dia a dia
Verdasco pretende disputar o US Open se for seguro
24/07/2020 às 17h17

Madri (Espanha) - Com muitos tenistas em dúvida sobre suas respectivas participações no US Open e com o próprio torneio correndo algum risco de não acontecer, embora a organização garanta que isso não deverá ocorrer, alguns nomes começam a se comprometer com o Grand Slam norte-americano. O mais recente da lista é o espanhol Fernando Verdasco.

Porém, o veterano espanhol condiciona sua ida a Flushing Meadows à segurança, uma vez que os casos de coronavírus nos Estados Unidos estão em alta. “No momento em que ainda não decidi meus planos, a situação não está clara. Há dois dias, acreditava quer iria jogar o torneio de Washington e agora ele foi cancelado”, disse Verdasco em entrevista para o Tennis Majors.

“A perspectiva nos Estados Unidos é muito ruim, está piorando todos os dias devido à pandemia da Covid-19, os casos se multiplicam quase diariamente. Ainda não sabemos se Cincinnati e o US Open podem ser realizados em Nova York; a organização deseja que sim, mas achamos que vamos esperar até o último minuto para tomar uma decisão”, contou o tenista de 36 anos.

+ Thiem: 'Se o US Open acontecer, irei com certeza'
+ Bautista é mais um comprometido com o US Open
+ Muguruza: 'Quero jogar todos os torneios possíveis'

“Se o US Open realmente acontecer, será necessário estudar a situação em Nova York no momento para decidir se vou ou não. Se a estiver boa e sob controle, tentarei competir no torneio. Quando voltar, minha ideia é jogar a turnê europeia com Madri, Roma e Roland Garros”, acrescentou o atual número 52 do mundo.

Verdasco pretende jogar tudo, embora acredite que o calendário ficou muito carregado. “Ter um torneio como o de Madrid apenas uma semana após um Grand Slam é algo que nunca aconteceu. A situação com o coronavírus é muito estranha, mas temos que nos adaptar”, comentou o espanhol.

“Também devemos pensar nas lesões que podem ocorrer se decidirmos jogar torneios em diferentes superfícies com o mínimo de intervalo. Devemos pensar em nosso corpo, isso é a coisa mais importante. No meu caso, tentarei jogar tudo, mas se meu corpo me pedir para parar após o US Open não hesitarei em pular Madri, apesar de ser minha cidade e machucar minha alma”, finalizou.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva