Notícias | Dia a dia
Eletroestimulação é um dos segredos de Nadal
22/07/2020 às 08h00

São Paulo (SP) - Apesar de ter a carreira marcada por diversas lesões, algumas bastante graves, o espanhol Rafael Nadal consegue manter um grande nível no circuito mesmo com seus 34 anos completados em 3 de junho. Um dos segredos do canhoto de Mallorca é o uso de treinos de eletroestimulação desde 2017, que tem o ajudado muito na recuperação física e no fortalecimento do ‘core’, unidade integrada de músculos que suportam e estabilizam bacia, pélvis e abdome.

Sem alarde, o atual número 2 do mundo adotou a utilização da Miha, um sistema completo de treino de eletroestimulação de corpo inteiro que reúne tecnologia inovadora, para que toda a musculatura, inclusive a mais profunda, seja estimulada simultaneamente por impulsos elétricos. Em resumo, o aparelho faz com que um treino simples possa ser potencializado através da eletroestimulação.

Nadal não é o único atleta de ponta que usa tal tecnologia, algo que também fez o jamaicano Usain Bolt e o Bayern de Munique, que possuí um centro de excelência dentro do seu centro de treinamentos. Nathalie Moellhasen, campeã mundial de esgrima, também treina com essa tecnologia. Entre os tenistas brasileiros, os gaúchos André Ghem e Guilherme Clezar já usaram, bem como a ex-profissional paulista Vanessa Menga, que chegou ao 93º posto em 1999.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

You see the victories but you don't see the journey.. Back at work #shockwaves #electricworkouts #seriousface #foreverfaster

Uma publicação compartilhada por Usain St.Leo Bolt (@usainbolt) em

“Senti que trabalhou bem os músculos e fortaleceu bastante. Até fiquei um pouco dolorida no dia seguinte, o que mostra que trabalhou bem a musculatura”, declarou Menga, que já se utilizou da eletroestimulação mais de uma vez. “Achei excelente, queria até poder ter usado durante a quarentena”, complementou a paulista.

Com a pandemia do coronavírus, o exercício físico se tornou um desafio ainda maior. Neste cenário, a eletroestimulação surge como uma alternativa de treino possui diferenciais em relação às academias convencionais. Ele é individualizado, com agendamento prévio e, durante a aula, ficam apenas o professor e o aluno na sala, mantendo o isolamento social.

“Duas sessões por semana, que duram 20 min cada, são suficientes para alcançar excelentes resultados. O aluno vai se expor menos ao ambiente, se comparado a uma rotina de treinos numa sala de musculação", afirma Matheus Ferrarezi, consultor científico de Miha e proprietário da uma rede de franquias de eletroestimulação.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva