Notícias | Dia a dia
'Tenho receio de voltar ao circuito', diz Orlandinho
14/07/2020 às 16h42

Itajaí (SC) - A volta das competições do circuito profissional preocupa Orlando Luz. Apesar de os primeiros challengers já estarem marcados para o mês de agosto, o jovem jogador de 22 anos e 301º do ranking ainda tem receio para voltar a jogar. Orlandinho cita as restrições a viagens internacionais e também a falta de informações sobre as medidas que serão tomadas no caso de algum jogador ser infectado pela Covid-19.

"Tenho receio de retornar. Em uma chave com 32, 48 jogadores, o que seja, todos vão passar por aeroportos e é muito fácil de ser contaminado", disse Orlando Luz, por meio de sua assessoria. "Eu não sei quais seriam as medidas com um jogador positivo, se cancelariam o torneio, ou se só o jogador é desclassificado".

+ Menezes: 'Não consigo viajar para nenhum torneio'
+ Monteiro busca solução para contornar restrições
+ ATP define os 11 primeiros challengers do 2º semestre

"Acho muito difícil voltarem os torneios, mas se voltarem, será complicado para nós brasileiros que não podemos viajar para Europa e Estados Unidos", explicou o atual número 7 do tênis brasileiro, que tem uma vitória e duas derrotas em challengers no início da temporada. Já nas duplas, chegou às quartas de final do Rio Open e disputou duas finais de challenger, com um título.

Orlandinho também comentou sobre a mudança no cálculo da pontuação do ranking da ATP. Serão considerados os 18 melhores resultados em 22 meses, entre março de 2019 e dezembro de 2020. Com isso, os jogadores não têm mais a preocupação de defender pontos até o fim do ano, o que minimizaria a queda no ranking de jogadores que não puderem viajar.

+ ATP mudará cálculo do ranking no restante do ano
+ Primeiros do ranking não precisarão defender pontos
+ Restrições a viagens preocupam Bia e Carol Meligeni

"Essa volta não está nos beneficiando em nada na questão saúde e nem para nós, brasileiros, que não poderíamos voltar e nem teríamos a chance de subir no ranking. Mesmo travado o ranking sem perder pontos, não teríamos a chance de subir", afirmou o gaúcho de Carazinho. "Se eu pudesse voltar, viajaria obviamente, teria que voltar para fazer resultados. Vamos ver o que acontece. Espero que eles [entidades] deem um jeito, com alguma carta para nos autorizar ou algo assim".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva