Notícias | Dia a dia
Primeiros colocados não precisarão defender pontos
06/07/2020 às 20h26

Com ranking de 22 meses, primeiros colocados não precisarão defender alguns resultados do ano passado

Foto: Divulgação
por Mário Sérgio Cruz

As mudanças no cálculo da pontuação do ranking da ATP para o restante da temporada tiveram como grande beneficiados os primeiros colocados. Quando o circuito for retomado no segundo semestre, nomes como Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer, Dominic Thiem e Daniil Medvedev não precisarão defender os pontos conquistados no ano passado.

A ATP definiu nesta segunda-feira que o cálculo do ranking até o fim do ano será feito a partir dos 18 melhores resultados em 22 meses, entre março de 2019 e dezembro de 2020. Anteriormente, eram considerados os 18 melhores resultados em 12 meses (ou 52 semanas). Também foi determinado que os tenistas não podem contabilizar dois resultados obtidos em um mesmo torneio, ficando apenas com o melhor deles. Dessa forma, quem conquistou títulos importantes no ano passado não precisará repetir a conquista para evitar a perda de pontos. Isso também acaba preservando os jogadores de atuar em várias semanas seguidas na retomada do circuito. 

+ ATP mudará cálculo do ranking no restante do ano
+ Chave de duplas do US Open valerá menos pontos
+ ATP volta 14 de agosto e confirma Madri e Roma

O ranking atual da ATP está congelado desde 16 de março, quando a temporada foi suspensa por conta da pandemia da Covid-19. O circuito masculino será retomado a partir de 14 de agosto, em Washington. A próxima atualização do ranking sairá no dia 24 de agosto e servirá de base para definir os cabeças de chave do US Open.

Número 2 do mundo, Nadal é um dos maiores beneficiados. Ele teria a difícil missão de defender os títulos de Roland Garros, do US Open e do Masters 1000 de Roma da última temporada, mas agora esses 5 mil pontos ficarão mantidos em seu ranking independentemente dos resultados que conquistar. Por outro lado, o espanhol teria poucas chances de ameaçar a liderança de Novak Djokovic, já que só teria a chance de somar pontos em torneios como os Masters de Cincinnati (excepcionalmente disputado em Nova York) ou de Madri.

Djokovic permanecerá com os mil pontos conquistados do Masters 1000 de Madri do ano passado e, se o circuito seguir normalmente até o fim do ano, também manterá a pontuação do Masters de Paris, conquistado em novembro de 2019. Ele também vai manter os 2 mil pontos do título de Wimbledon do ano passado, já que a edição de 2020 do Grand Slam londrino foi cancelada. Invicto na temporada, o sérvio ainda terá a chance de ampliar sua vantagem já que pode melhorar as campanhas feitas em Cincinnati, Roma, US Open e Roland Garros.

O russo Daniil Medvedev, quinto colocado no ranking, disputou cinco finais seguidas em 2019. Ele foi campeão nos Masters 1000 de Cincinnati e Xangai, vice em Montréal e no US Open, e também ganhou o ATP 250 de São Petersburgo. Todos esses 4.050 pontos serão preservados e ele ainda tem a chance de melhorar essa marca se ganhar mais torneios.

O terceiro do ranking Dominic Thiem vai manter os mil pontos obtidos na reta final da última temporada, quando foi campeão em Pequim e Viena. Ele também sustenta os 1.200 pontos do vice-campeonato de Roland Garros, podendo até melhorar essa marca se for campeão no saibro parisiense. O austríaco também tem boas chances de ganhar posições se for bem no Masters de Cincinnati e no US Open, já que não pontuou nesses eventos em 2019.

Até mesmo Roger Federer, que só voltará a jogar no ano que vem, acabou se dando bem com a mudança. Federer, que completa 39 anos em agosto, operou o joelho direito em fevereiro e perderá apenas 440 pontos, referentes à semifinal do ATP Finals do ano passado. O atual número 4 do mundo tem 6.630 pontos no ranking e esse único desconto não deve ameaçar sua posição no top 10.

Pontos de 2019 também ajudam para o Finals
Não haverá a chamada Corrida para Londres em simples este ano. Os oito classificados para o ATP Finals serão definidos com base no ranking do dia 9 de novembro. Na prática, isso significa que alguns pontos conquistados em 2019 podem ajudar na classificação para o torneio que encerra a temporada do circuito. Isso não valerá para as duplas, já que a Corrida para Londres será mantida para definir as oito melhores parcerias da temporada.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva