Notícias | Dia a dia
Murray volta às quadras com vitória em Londres
23/06/2020 às 17h03

Torneio britânico seguiu normas rígidas de distanciamento e não tem boleiros ou juízes de linha

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - A volta de Andy Murray às quadras foi com resultado positivo. O ex-número 1 do mundo e atual 129º colocado venceu o canhoto Liam Broady, 211º do ranking, por duplo 6/2 em sua estreia na série de exibições 'Battle of The Brits'. O evento é promovido por seu irmão, Jamie Murray, e vai até o próximo domingo.

Murray não jogava desde novembro do ano passado, quando defendeu a equipe britânica da Copa Davis. O jogador de 33 anos sofreu uma pubalgia que o impediu de atuar nas rodadas decisivas da competição por equipes e também não pôde jogar nos torneios do início deste ano.

Apesar do longo período de inatividade e das duas cirurgias que já fez no quadril, Murray atuou em bom nível, especialmente ao encaixar bons saques e devoluções, além de mostrar qualidade com lobs e voleios e lances de bate-pronto.

O torneio tem oito jogadores divididos em dois grupos. Murray está no Grupo Tim Henman. Pela mesma chave, o número 44 do mundo Kyle Edmund estreou com vitória 6/1 e 6/4 sobre James Ward. Nesta quarta-feira, Murray e Edmund se enfrentam por volta das 14h (de Brasília). Ainda no primeiro dia de jogos, Dan Evans venceu Jay Clarke por 6/3 e 6/1 e lidera o Grupo Greg Rusedski.

Apenas nove pessoas na quadra
A competição acontece no National Tennis Center, na região de Roehampton, em Londres, e segue um rígido protocolo de segurança. Não é permitida a presença de público, nem de boleiros ou juízes de linha. Marcações duvidosas são corrigidas eletronicamente, como já acontece no Next Gen ATP Finals, em Milão. E os próprios tenistas recolhem as bolas próximas da rede ou da linha de base.

Dentro de quadra ficam apenas os dois jogadores, árbitro de cadeira, os dois treinadores (que utilizam luvas), além de uma equipe mínima para a divulgação dos jogos, composta por três operadores de câmeras de TV e um fotógrafo. No total, apenas nove pessoas têm acesso à quadra. Os tenistas se comunicam à distância, por meio de headset, com profissionais de imprensa envolvidos na transmissão dos jogos.

Em breve entrevista após a partida, o britânico se mostrou feliz com o desempenho de seu saque e comentou sobre a dificuldade na movimentação, tanto pelo longo período parado, quanto pelo fato da área no fundo da quadra ser menor que as de torneios oficiais, fazendo com que ele ficasse mais perto da linha de base que de costume. Murray também diz que não disputava um jogo sem boleiros desde os tempos de juvenil, mas que já está acostumado com isso, já que recolher bolas da rede e do fundo de quadra faz parte de sua rotina de treinos.

Comentários
Raquete novo
Suzana Silva