Notícias | Dia a dia
Para Soares, Djokovic protagonizou 'show de horror'
22/06/2020 às 19h26

Belo Horizonte (MG) - O experiente duplista Bruno Soares reforçou o coro de críticas a Novak Djokovic por ter promovido a polêmica série de exibições Adria Tour nas últimas semanas. O evento teve público nas arquibancadas e pouquíssimas medidas de distanciamento e, com isso, três tenistas já foram diagnosticados com a Covid-19, Borna Coric, Grigor Dimitrov e Viktor Troicki. Além deles, o técnico de Dimitrov, Christian Groh, e o preparador físico de Djokovic, Marko Paniki, também contraíram a doença.

"Esse evento foi conduzido com uma irresponsabilidade absurda", disse Soares, em entrevista ao Globoesporte.com. "A gente está vendo outros eventos acontecendo, como na Alemanha e em alguns outros lugares, ou o torneio do [Patrick] Mouratoglou agora, sem público e com protocolo muito diferente do que foi feito no Adria Tour".

Além dos jogos, o torneio de Djokovic tem sido muito criticado por provocar aglomerações. Os tenistas participaram de uma série de eventos extra-quadra, como jogos de futebol e basquete, clínicas com crianças, apresentações musicais, jantares e até festas. O sérvio e os demais organizadores da competição se valem do fato dos países-sede do torneio já terem flexibilizado muitas medidas de isolamento social.

"O resumo para mim disso aí é 'show de horror'. Irresponsabilidade enorme, imaturidade gigante", disparou o mineiro de 38 anos. "Eu acho que eles foram displicentes. Por melhor que você esteja, nem que seja no Pólo Norte, com nenhum caso, você não pode sair fazendo festa, show de música, aglomeração e postando no Instagram. Pelo amor de Deus, precisa ter um mínimo de respeito com tudo que está acontecendo no mundo".

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Adria Tour (@adriatourofficial) em

Soares cita o exemplo da chegada de Dimitrov a Belgrado, poucos dias antes do torneio começar e sem nenhuma restrição ao contato físico. "O Dimitrov chegou dos Estados Unidos, desceu do avião, e os caras já deram um abraço. Tem gente aqui que está há 60 dias sem dá um abraço nos pais. Eu passei 60 dias sem ver a minha mãe. É o mínimo que você tem que mostrar ao mundo, que você está tendo um cuidado".

Integrante do Conselho de Jogadores da ATP, o mineiro de Belo Horizonte acredita que a repercussão negativa pesa muito contra Djokovic nos bastidores do circuito. Lembrando que o sérvio, número 1 do mundo, é também o presidente do Conselho. "Acho que fica uma saia justa grande porque ele é o presidente. E também por ter um discurso completamente oposto ao que ele mostrou nesse evento. Isso cai em cima dele como pessoa. A ATP não tem nada a ver com isso. Ele organizou o evento por conta própria".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva