Notícias | Dia a dia
Norte-americano faz duras críticas a Djokovic
17/06/2020 às 08h57

Nova York (EUA) - Principal opositor às normas de segurança apresentadas pela organização do US Open, que acabaram sendo flexibilizadas na última terça-feira, o sérvio Novak Djokovic foi duramente criticado pelo norte-americano Noah Rubin, que acusou o número 1 do mundo de faltar em uma importante videoconferência para decidir se o Masters 1000 de Cincinnati Masters e o US Open deveriam ser disputados e chamou tal postura de egoísta.

A chamada do Zoom contou com mais de 300 jogadores e foi feita por três horas e meia, de acordo com Rubin, que não gostou nada de ver depois as fotos de Djokovic e os convidados de seu torneio jogando futebol. “Você pode reservar um tempo para isso, mas não pode receber uma ligação do Zoom por 30 segundos?", disparou o atual 225 do mundo no Podcast Behind the Racquet .

“Tudo bem se quiser cuidar apenas de si mesmo, esse esporte foi construído para isso, mas então não tome uma posição em que os outros confiam em você. Se não podemos entrar em contato contigo, se não está ajudando, se você não pode receber uma ligação, qual é o sentido disso tudo?”, indagou o norte-americano de 24 anos.

Rubin ainda disparou contra a postura de Djokovic e suas críticas às restrições apresentadas pelo US Open. “Estão oferecendo um torneio com 95% do prêmio em dinheiro do ano passado, mesmo sem público. Por que reclamar que os fisioterapeutas da ATP podem não ser bons o suficiente para suas duas semanas lá? Tipo, cale a boca e apenas entenda o que realmente está acontecendo”, finalizou o destro de Long Island.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva