Notícias | Dia a dia
'Especial Goat': versatilidade coloca Nadal no páreo
14/05/2020 às 08h03

Nadal tem mais troféus de Grand Slam fora de seu piso predileto do que Djokovic ou Federer

Foto: Arquivo
Marcos Bulcao *
Especial para TenisBrasil

Este é o terceiro artigo da série de quatro textos analíticos sobre os maiores vencedores do tênis profissional masculino em busca de argumentos para definir afinal quem é o Melhor de Todos os Tempos.


Em que pese sua coleção de 19 Grand Slams, para alguns – especialmente os fãs de Novak Djokovic e Roger Federer – incluir Rafael Nadal como sério candidato a 'Goat' (Greatest of All Time, em inglês) também vai soar como uma heresia. Como poderia ele já ser o maior de todos os tempos quando tem menos títulos de Grand Slam do que Federer, nunca venceu o ATP Finals, tem um histórico de derrotas contra Djokovic e, talvez o pior de tudo, é apenas o sexto da lista dos tenistas que passaram mais tempo no topo do ranking?

Novamente, as coisas não são tão simples. Para alcançar tal veredito, números brutos sozinhos não são suficientes. Em vez disso, a pergunta mais importante é: o que Nadal tem de único em seu currículo que o credencia ao título de 'Goat'?

Nadal é apenas o segundo jogador a completar o chamado “Career Golden Slam”
Djokovic tem provavelmente o currículo mais completo entre os jogadores, com todos os troféus de Grand Slam, Masters 1000 e ATP Finals, enquanto Federer ainda lidera em termos de títulos de Slam conquistados e semanas como número 1.

Mas nenhum deles ganhou uma medalha de ouro olímpica em simples. Na verdade, o único outro homem a igualar o feito de Nadal de completar o chamado 'Golden Slam' – vencer os quatro diferentes Slam e conquistar o ouro olímpico – foi o norte-americano Andre Agassi. Agassi. Ele contudo ganhou 11 Grand Slam a menos e não tem sequer metade de Masters, então ele não respira o mesmo rarefeito ar de Nadal.

Nadal é o jogador mais bem sucedido fora de sua superfície favorita
Ao longo de sua carreira, as pretensões de Nadal para se consagrar como o 'Goat' têm sido questionadas devido a uma excessiva concentração de títulos em sua superfície favorita, o saibro. Com efeito, tem sido argumentado que, embora Nadal possa ser o maior de todos os tempos no saibro, longe do terra batida suas conquistas não seriam tão impressionantes assim.

Isso, contudo, é uma visão muito estreita das conquistas de Nadal, falhando em reconhecer que ele consegue um domínio em sua superfície favorita bem superior ao que Federer e Djokovic possuem na grama ou no asfalto.

Para provar o ponto, vamos ver os títulos do Big 3 em Slam nas três superfícies:

No saibro vermelho de Roland Garros, Federer venceu em 2009, mas o fez sem derrotar seu arqui-inimigo. Em contrapartida, Nadal coleciona dois títulos nos gramados de Wimbledon, vencendo Federer uma vez na gloriosa final de 2008. Não está satisfeito? Nadal também venceu Federer três vezes nas quadras duras de Melbourne Park.

O histórico de Djokovic no saibro pode ser dito melhor do que o de Federer. O sérvio também ganhou apenas um título em Paris, mas foi capaz de derrotar Nadal em 2015 em sets diretos, além de obtido sucesso em outros Masters da terra. Nadal, por sua vez, embora nunca tenha vencido Djokovic em seu reduto preferido, no Aberto da Austrália, perdendo ali duas finais para o sérvio, conseguiu triunfar contra o sérvio duas vezes no piso sintético do US Open, nas finais de 2010 e em 2013.

A rivalidade entre Federer e Djokovic é talvez a mais próxima. Ambos venceram o outro pelo menos uma vez em todos os quatro Grand Slam, embora Djokovic desfrute de melhor histórico entre ambos, tendo vencido quatro das cinco finais de Slam que disputaram.

Confronto direto nos Grand Slam:
Contra Federer: Nadal tem 6-0 (saibro); 3-1 (quadra dura); 1-3 (grama)
Contra Djokovic: Nadal tem 6-1 (saibro); 2-3 (quadra dura); 1-2 (grama)

Como podemos ver, enquanto Nadal é virtualmente intocável no saibro, seus grandes rivais não podem reivindicar o mesmo grau de domínio em suas superfícies favoritas. Embora isso seja em parte devido à ameaça que eles representam um ao outro, Nadal foi capaz de triunfar tanto sobre Federer quanto sobre Djokovic longe do saibro, onde ele é teoricamente mais vulnerável.

A verdade é que Nadal conseguiu ao longo dos anos inflingir mais dano fora de sua superfície favorita do que foram capaz de fazer seus dois maiores adversários. E não poderíamos dizer que isso credencia Nadal, ao contrário da visão corrente, a ser considerado o jogador mais versátil de todos?

Nadal é o único a ganhar múltiplos Slam em três pisos diferentes
Curiosamente, essa façanha única muitas vezes não obtém o reconhecimento que certamente merece. Nadal é o único homem que já ganhou pelo menos dois títulos de Grand Slam em cada uma das três superfícies: saibro, grama e quadra dura.

É verdade que Rod Laver ganhou múltiplos títulos em todos os quatro Slams, mas não devemos esquecer que no tempo de Laver não apenas Wimbledon, mas também Austrália e US Open eram jogados na grama. Além disso, devemos acrescentar que Nadal conquistou múltiplos títulos em cada superfície quando tinha apenas 24 anos. Federer e Djokovic, em contrapartida, não completaram o 'Career Grand Slam' antes dos 27 e 29 anos, respectivamente.

Conclusões
Há, entretanto, alguns fatos que não podemos esconder: Nadal tem falhas graves em seu currículo. Mas quem não as têm? A questão mais relevante então é saber em que medida a singularidade de suas conquistas é capaz de superar essas falhas.

É verdade que Nadal tem muito menos semanas como 1 do que Federer e Djokovic, seus dois principais rivais. De outro lado, é preciso levar em conta que ele terminou o ano como número 1 tantas vezes quanto o suíço e o sérvio, todos eles com cinco.

Também é fato que Nadal tem um histórico negativo contra Djokovic (26-29), mas pode-se argumentar que,quando mais importa – nos Grand Slam –, o canhoto espanhol lidera (9-6).

O fracasso de Nadal em vencer o ATP Finals é provavelmente a pior mancha em seu currículo, mas se pode argumentar que isso é amplamente compensado por sua medalha de ouro olímpica, algo que nem Federer, nem Djokovic conseguiram até agora,

Seria isso o suficiente para provar que Nadal é o maior de todos os tempos? Isso é, em última análise, uma questão de ponto de vista.

Mas Rafa tem certamente fortes argumentos para ser declarado o jogador mais bem-sucedido na combinação das diferentes superfícies. E não é exatamente isso que se espera do autêntico 'Goat'?

Amanhã, a análise sobre o candidato Roger Federer

Veja a análise sobre o candidato Novak Djokovic

Veja a análise sobre o candidato Pete Sampras

* Marcos Bulcao, 48 anos, é filósofo e aventureiro, escritor e empreendedor, não necessariamente nessa ordem. Louco por tênis e estatísticas, está sempre pensando em maneiras de resolver o debate sobre quem é o GOAT. Tem seis livros publicados, cinco acadêmicos e seu favorito: O Filósofo Peregrino: de Londres a Roma a Pé. Mora atualmente no Canadá, onde ensina filosofia e gere uma empresa de investimentos automatizados em bolsa de valores.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva