Notícias | Outros
Os mistérios do tênis: A origem do nome
15/04/2020 às 18h30

Esta é a primeira gravura conhecida que retrata o jogo de tênis. Foi feita na Antuérpia, em 1576.

Foto: Reprodução
José Nilton Dalcim *

Determinar como, onde e por que surgiu a palavra “tênis” é um mistério ainda insolúvel para os estudiosos, que contabilizam 24 formas diferentes de se grafar esse termo, alguns deles com quatro e outros com até oito letras.

A origem francesa do jogo é um consenso - JJ Jusserand lembra que até o atual fato de girar a raquete para sortear o sacador já era usado no jeu-de-paume - e admite-se que “tennis” se escreveria originalmente “tenetz” e pronunciava-se “tênéts”.

Leia também - Os mistérios do tênis: A contagem inexplicável

Segundo Walter W. Skeat, a primeira menção ao tênis em língua inglesa surge num comunicado do rei Henrique IV, datado entre 1399 e 1400, que dizia literalmente “Off the tenetz to winne or lese a chace”. No entanto, o livro em italiano “Cronica di Firenze”, escrito por Donato Velluti, descreve a chegada de um grupo de nobres franceses à cidade, por volta de 1324 ou 1325, “que costuma jogar o tempo inteiro o tenes”. Essa seria portanto a primeira vez que uma variação da palavra “tênis” foi escrita em qualquer literatura.

A teoria ainda aceita até hoje é que o termo surgiu da frase que os jogadores franceses pronunciariam antes de começar uma partida, equivalente a “esteja pronto” ou o “play” de hoje. Mas diversos estudiosos afirmam que não há qualquer registro na literatura francesa de que os jogadores pronunciassem “tenez” ou “tenets” no início de uma disputa.

A primeira menção a esse fato é, na verdade, registrada na Inglaterra, em 1617. Ou seja, no espaço de 250 anos, entre Velluti e essa anotação, não há qualquer outra documentação quanto a esse fato.

Some-se a isso a evidência de que os franceses, provavelmente desde 1150 ou 1200, sempre se referirem à modalidade como “jeu-de-paume” (jogo da palma da mão), mesmo depois do uso de raquetes. “Difícil acreditar que um nome tão estabelecido fosse modificado por uma mera exclamação”, afirma Malcolm Whitman, em seu excelente trabalho Tennis: Origins and Mysteries. E ele enfatiza: “Além disso, a própria transição do termo tenétz para tennis não parece ser tão simples”.

Whitman sugere então outra linha investigatória. Segundo ele, ao final do século 12 e início do século 13, os cruzados franceses introduziram muitas palavras de origem árabe no vocabulário - como “rahat” (palma da mão ou formato da palma da mão), que teria dado origem à palavra “raquete”.

Entre as cidades que os tais cruzados visitaram, estava uma no Delta do Rio Nilo, descrita por eles como “A Vila de Tennis” (que os gregos chamavam de Tanis e os árabes pronunciavam “Tinnis”). O nome da cidade vinha diretamente do lago próximo, que também se chamava Lago Tinnis.

Cidade próspera, seu mais famoso produto era a manufatura de tecidos finos. Sabe-se que as antigas formas da palavra “bola” em francês era “étoffe”, que significava “roupa” ou “tecido”, o que remonta ao século 13, o mesmo do surgimento do tênis antigo (note-se que o termo “balle” só surgiu no século 16).

Todas as menções mais antigas deixam claro que as bolas eram feitas de algodão. Coincidência ou não, os viajantes pelo Egito entre 1042 e 1226 mencionavam a próspera cidade de Tennis e os “tecidos de Tennis”.

A cidade afundou em 1226 e nunca apareceu nos mapas modernos, mas está registrada por antigos cartógrafos egípcios (veja reprodução acima). E imortalizada em versos do poeta grego Horacio, que descreve em um de seus trabalhos a viagem de Maecenas, que vai jogar na cidade egípcia de Tennis.

A conclusão do historiador é que a bola precedeu todos os jogos e obviamente também o tênis, mesmo nas formas mais remotas. As primeiras bolas de jeu-de-paume eram feitas de tecido leve e, justamente nos tempos em que o jogo teve início, o mais famoso e importante tecido era feito numa cidade que os próprios franceses chamavam de Tennis.

Ou seja, eram as bolas de Tennis. Dá muito o que pensar, não acham?

*Trechos extraídos do livro "Entenda o Tênis", do próprio autor

Comentários
Raquete novo
Suzana Silva