Notícias | Dia a dia
Cancelamentos deixam King sem despedida oficial
07/04/2020 às 17h06

A duplista norte-americana pretendia se despedir da torcida jogando em Indian Wells, Miami e Charleston

Foto: Arquivo

Charleston (EUA) - A suspensão das competições profissionais por conta da pandemia da Covid-19 acabou antecipando a aposentadoria de Vania King. A norte-americana de 31 anos havia anunciado, há pouco mais de um mês, que encerraria sua carreira profissional no Premier de Charleston, que aconteceria nesta semana. O torneio em quadras de har-tru (saibro verde) foi um dos vários eventos cancelados por conta do risco de transmissão do novo coronavírus. Dessa forma, ela acabou ficando sem um jogo de despedida.

"Acho que estou aposentada agora", disse King, em entrevista por telefone para o site da WTA. "Eu não tenho certeza. Mas tecnicamente eu estou aposentada?", brincou a norte-americana, que disputaria a chave de duplas em Charleston ao lado da cazaque Yaroslava Shvedova. Elas também jogariam juntas em Indian Wells e Miami. A parceria entre King e Shvedova conquistou Wimbledon e o US Open em 2010.

King chegou a ser número 3 do mundo no ranking das especialistas em duplas e venceu 15 títulos no circuito, o último deles em 2016. Ela aparece atualmente na 76ª posição do ranking. Em simples, foi top 50 em 2006, ano em que venceu o WTA de Bangkok. Um dos principais motivos que a fizeram encerrar sua carreira profissional foi uma lesão no tornozelo, que a fez passar por uma cirurgia recentemente.

Fora das quadras, King tenta dar continuidade aos projetos sociais que ajuda, especialmente em um período tão difícil para a sociedade ."Eu sei que há muitas pessoas necessitadas e, obviamente, não posso ajudar a todos. Mas imaginei que eu poderia ajudar algumas pessoas, então espero que isso possa fazer a diferença", afirmou. "Felizmente, estou em boas condições financeiras. Tenho sorte de não estar com dificuldades e não precisar trabalhar neste momento. Mas acho que tenho o privilégio de estar nessa posição para poder manter meus projetos sem fins lucrativos e seguir minhas paixões".

Outro objetivo da norte-americana é se mudar para a Austrália. Ela inclusive já obteve um visto para residência permanente no país. "Eu sempre amei a Austrália, desde que era mais jovem. Quando pensava em me mudar, a Austrália era o único lugar que eu pensava realmente que poderia morar. Sempre há lugares que você gosta de visitar nas férias, mas não pode ficar por tanto tempo. Já a Austrália sempre foi um lugar onde eu sentia que queria ficar. Joguei o torneio de Hobart este ano e depois fui a Melbourne, é claro, e isso apenas reafirmou meu desejo de ir para lá".

Rybarikova pode ficar na mesma situação
Outra jogadora experiente que pode ficar sem uma partida de despedida é Magdalena Rybarikova. A eslovaca de 31 anos e semifinalista de Wimbledon em 2017 pretendia terminar sua carreira profissional disputando a fase final da Fed Cup, que aconteceria na semana que vem em Budapeste. No entanto, a competição entre nações foi adiada por conta do risco de transmissão do novo coronavírus.

Comentários
Loja - livros
Calhau