Notícias | Dia a dia
Melo lamenta cancelamento, Soares busca soluções
03/04/2020 às 17h30

Wesley Chapel (EUA) - Os dois brasileiros mais bem colocados no ranking de especialistas em duplas da ATP falaram sobre o cancelamento de Wimbledon e o futuro incerto do circuito em meio à pandemia da Covid-19. Enquanto o número 5 do mundo Marcelo Melo lamentou o fato de não poder disputar o Grand Slam londrino neste ano, o 25º colocado Bruno Soares espera que algo seja feito para ajudar financeiramente os jogadores e outros profissionais que trabalham com tênis.

"Foi uma notícia realmente muito triste para todos nós tenistas, para os fãs de Wimbledon e para os fãs do tênis. Todos sabem que é um dos meus torneios favoritos, especialmente depois do título de 2017. Mas, a situação é muito adversa, não temos como jogar o torneio. Enfim, vamos ter de esperar mais um ano para poder voltar ao templo sagrado de Wimbledon, que é tão especial para nós", disse Marcelo Melo por meio de sua assessoria de imprensa.

Melo segue nos Estados Unidos, mantendo os treinos físicos e em quadra na Saddlebrook Tennis Academy, na Flórida, junto do alemão Alexander Zverev, um de seus melhores amigos no circuito. Com o cancelamento de toda a temporada de grama, os jogos não voltam antes de 13 de julho. "Não tenho certeza ainda de quando voltaremos a jogar. Agora passou mais para frente. Espero, logicamente, que o quanto antes essa situação termine para retornarmos às quadras".

Já Bruno Soares falou ao portal Globoesporte.com sobre a paralisação do circuito. O mineiro reiterou a posição que já havia dado em recente entrevista ao jornal argentino La Nación de que ainda não é o momento de cancelar eventos com muita antecedência e que é preciso avaliar a situação periodicamente. "Agora são mais três meses e meio sem trabalho, sem eventos, não só para os jogadores, mas para muita gente que trabalha com tênis". 

"Eu acho ainda um pouco cedo para tomar a decisão. Dei uma entrevista falando que o correto seria anunciar isso entre quatro a seis semanas antes do torneio. A gente não sabe por quanto isso pode evoluir nas próximas semanas. Wimbledon está tomando uma decisão dois meses antes, mas eles devem ter os motivos deles", avalia o jogador de 38 anos, que também acredita que é preciso buscar soluções para ajudar financeiramente os atletas e outros profissionais do esporte.

"Agora é seguir em frente, buscando soluções e alternativas. É preciso fazer alguma coisa agora, um fundo para ajudar os tenistas nesse momento difícil. Tem muita gente que não tem poder aquisitivo para sustentar esse tempo todo sem ganhar dinheiro".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva