Notícias | Dia a dia
Murray ensaia retorno, mas cogita nova cirurgia
25/02/2020 às 22h09

Britânico está voltando aos treinos, enquanto acompanha a evolução de problema no quadril

Foto: Arquivo

Londres (Inglaterra) - Ainda sem jogar em 2020, Andy Murray convive com um dilema. Depois de ter passado por duas cirurgias no quadril nos últimos anos, o ex-número 1 do mundo tenta retomar a rotina de competições, mas pode precisar passar por uma nova operação.

Murray vem sofrendo com uma lesão no osso pélvico e não joga desde novembro do ano passado na Copa Davis. O britânico está voltando aos treinos e pode até jogar o Masters 1000 de Miami, que começa no dia 25 de março.

De acordo com a BBC, a recente lesão é efeito colateral da operação de reconstrução do quadril que ele realizou no início de 2019. Murray voltou a sentir um desconforto na região da virilha e acredita que isso foi causado pelo crescimento de ossos e tecidos moles em volta de seu novo quadril de metal. Caso precise de uma nova cirurgia, pode ficar fora de Wimbledon e dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

"Não tinha muita clareza sobre qual é realmente o problema, mas acho que agora temos certeza do que está acontecendo", disse Murray à BBC. "O que eu preciso fazer nessas próximas semanas é ter uma rotina de treinos para realmente testar o quadril. Espero que responda bem. Eu devo saber até o final do próximo mês se estou apto para jogar ou não".

"O problema é que, se você tentar remover esse problema no osso cedo demais, enquanto ainda estiver em processo de crescimento, ele voltará a crescer", explicou o britânico de 32 anos. "O tempo de recuperação dessa cirurgia não é tão longo, vai de seis a oito semanas, mas se eu não operar até maio, mais ou menos, posso perder esses torneios".

Murray também não descarta um retorno ao circuito durante a temporada de saibro, que causaria menos impacto nas articulações. "Eu jogaria no saibro, com certeza. Se eu estiver bem fisicamente e meu corpo responder bem aos treinos, não há razão para não fazê-lo. Acho até que jogar no saibro deve ser melhor para o quadril de metal porque é mais suave em termos de impacto".

"Eu quero continuar jogando. Quero jogar os Grand Slam novamente. Isso é o que me excita e me interessa. É disso que eu mais sinto falta nos últimos anos", complementou o atual 130º colocado no ranking mundial. No ano passado, depois de ter operado o quadril, Murray conquistou o título do ATP 250 da Antuérpia. Ele também venceu um torneio de duplas em Queen's.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis