Notícias | Dia a dia
Federer opera o joelho e só volta a jogar na grama
20/02/2020 às 07h47

Cirurgia foi no joelho direito. Não é o mesmo que ele operou em 2016

Foto: Arquivo

Basileia (Suíça) - A ATP informou na manhã desta quinta-feira que Roger Federer passou por uma artroscopia no joelho direito. Com isso, ele deverá ficar afastado do circuito nos próximos meses, desistindo dos torneios de Dubai, Indian Wells, Miami e Roland Garros. Uma exibição que ele faria na Colômbia em março também será cancelada. O jogador de 38 anos só deverá retornar ao circuito em junho, durante a temporada de grama.

O cenário mais provável é que seu próximo torneio seja o ATP 500 de Halle, a partir de 15 de junho. Ele também pode atuar em Stuttgart, que começa uma semana antes.

Esta é a segunda vez que Federer opera um joelho. A primeira foi no joelho esquerdo em fevereiro de 2016. Naquele ano, o suíço disputou apenas sete torneios e encerrou a temporada ainda em Wimbledon. Com isso, caiu um pouco no ranking e venceu o Australian Open do ano seguinte como 17º colocado.

Por meio de suas redes sociais, Federer também fez um pronunciamento. "Meu joelho direito já estava me incomodando há algum tempo. Eu esperava que isso passasse, mas depois de fazer exames e discutir com o meu time, eu decidi fazer uma artroscopia aqui na Suíça".

"Após o procedimento, os médicos confirmaram que era a coisa certa a se fazer e estavam confiantes de que eu terei uma plena recuperação. Como resultado disso, eu terei que desistir de jogar em Dubai, Indian Wells, Bogotá, Miami e de Roland Garros. Agradeço a todos pelo apoio. Não posso esperar para voltar a jogar. Vejo vocês na grama", acrescentou o ex-líder do ranking.

Suíço irá perder posições no ranking
Número 3 do mundo, Federer atuou apenas no Australian Open em 2020 e foi semifinalista do Grand Slam, perdendo para Novak Djokovic. O suíço também disputou há duas semanas uma exibição na África do Sul contra Rafael Nadal, diante de mais de 50 mil pessoas

O longo período de afastamento terá impacto direto no ranking. De seus atuais 7.130 pontos, ele não terá como defender 3.180 (são 1.000 de Miami, 720 de Roland Garros, 600 de Indian Wells, 500 de Dubai, 180 de Roma e mais 180 de Madri). Federer certamente irá perder algumas posições, mas deve continuar no top 10 com 3.950 pontos.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva