Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djokovic: 'Os Grand Slam são a minha prioridade'
02/02/2020 às 14h42

Melbourne (Austrália) - Depois de conquistar seu oitavo título no Australian Open e o 17º Grand Slam de sua carreira profissional, Novak Djokovic explicou que vencer os principais torneios do calendário é a prioridade. Ele conta que planeja o calendário visando estar nas melhores condições durante as semanas mais importantes do ano. O sérvio também se motiva na busca por recordes, embora admita que não vive em função deles. Djokovic diminuiu a diferença em número de conquistas para seus principais rivais, já que Roger Federer tem 20 títulos e Rafael Nadal venceu 19.

"Obviamente, nesta fase da minha carreira, os Grand Slam são a minha prioridade. Antes de a temporada começar, tento montar meu calendário pensando nesses eventos, para que eu esteja jogando meu melhor tênis e esteja bem na parte física e mental", disse Djokovic após vencer Dominic Thiem por 6/4, 4/6, 2/6, 6/3 e 6/4 na final do Grand Slam australiano.

"Tem muitas estatísticas das quais eu tenho orgulho, mas elas não podem ditar a minha carreira. Sei que há muita história em jogo e que eu tenho objetivos profissionais. Ganhar títulos de Grand Slam é uma das principais razões pelas quais eu continuo competindo e jogando as temporadas inteiras", acrescenta o sérvio, que comentou sobre a corrida pelo recorde de títulos.

"Ser o número 1 da história é um dos meus objetivos e estar em condição de disputar essa marca é muito bom para mim neste momento. Estou super feliz com a maneira como comecei a temporada e espero que seja o ponto de partida para um bom ano", avalia o jogador de 32 anos.

Djokovic também falou sobre a queda de rendimento que teve entre o segundo e o terceiro set da partida. "Joguei um game ruim no final do segundo set, com duas duplas-faltas. E depois disso, comecei a me sentir muito mal na quadra. Minha energia caiu significativamente".

"Para ser sincero, ainda não entendo o motivo pelo qual isso aconteceu, porque fiz as mesmas coisas que vinha fazendo antes de todas as minhas partidas. Aparentemente, o médico disse que eu não estava suficientemente hidratado. Mas é algo que você tem que aceitar e superar. Esse tipo de circunstância realmente me força a lutar para continuar no jogo", acrescenta o sérvio, que precisou sair de quadra antes do quarto set.

"Não estava me sentindo bem e tentei me manter focado mentalmente e emocionalmente. Fiquei um pouco chocado por me sentir assim, porque estava tudo bem antes da partida. Nos dois primeiros sets, tudo estava bem", explica o jogador de 32 anos.

"Eu recuperei minha energia e força no meio do quarto set e voltei para a partida. Depois disso, no quinto set, qualquer um poderia vencer. Eu sabia que uma quebra no começo do quinto set seria crucial e consegui essa vantagem mental novamente, e isso foi suficiente para vencer", complementou o sérvio, que voltará à liderança do ranking.

A vitória deste domingo foi a sétima de Djokovic em onze jogos contra Thiem no circuito, mas o austríaco havia vencido os últimos dois duelos. "Dominic é um tenista fantástico, com muita potência nos golpes. Ele usa seu slice muito bem e quebrou meu ritmo em um determinado momento da partida. Ele jogou muito bem. Provavelmente um ou outro ponto decidiu o jogo de hoje à noite. Tudo poderia ter sido diferente".

Djokovic relembra a escolha tática que fez quando enfrentou break points na reta final do jogo. "Eu tentei o saque e voleio quando estava enfrentando break points no quarto e no quinto set. Funcionou nas duas vezes, mas também poderia ter sido diferente. Saque e voleio não é algo que eu estou acostumado, eu realmente não faço isso com tanta frequência. Eu meio que reconheci isso como uma tática importante nessas circunstâncias, e estou realmente feliz que funcionou".

Mesmo com tantos títulos, ele garante que ainda pode melhorar. "O que posso fazer para melhorar? Ainda há muitas coisas na quadra de tênis que posso fazer melhor. Isso me motiva a seguir dia após dia com meus compromissos, com minhas sessões de treinos, porque sempre há algo para trabalhar e sempre há mais troféus para ganhar".

Comentários