Notícias | Dia a dia | Australian Open
Kenin derruba Barty e disputa sua 1ª final de Slam
30/01/2020 às 02h14

Melbourne (Austrália) - Disputando pela primeira vez uma semifinal de Grand Slam, a norte-americana Sofia Kenin não sentiu o peso da partida. Ela também ignorou o fato de ter do outro lado da quadra a atual número 1 do mundo e derrubou a australiana Ashleigh Barty em sets diretos, com o placar final de 7/6 (8-6) e 7/5, depois de 1h45 de confronto.

Após bater a atual campeã de Roland Garros, a norte-americana de 21 anos terá pela frente mais uma campeã de Slam. Ela enfrentará ou a romena Simona Halep, que venceu Roland Garros em 2018 e Wimbledon em 2019, ou a espanhola Garbiñe Muguruza, campeã em Paris em 2016 e em Londres em 2017.

Kenin conseguiu aguentar muito bem a variação de bolas de Barty durante o primeiro set, foi firme do fundo de quadra e jogou a responsabilidade de tentar comandar mais os pontos para a australiana, que teve mais bolas vencedoras (22 a 12) e mais erros não forçados (21 a 16). Os três break-points desperdiçados pela número 1 do mundo no sexto game fizeram falta.

Sem quebras para ambos os lados, a definição foi para o tiebreak, em que Barty novamente não aproveitou suas chances. Ela perdeu dois set-points, um deles com o saque, e na primeira oportunidade que teve de fechar, Kenin não a deixou escapar e venceu a parcial inicial, mesmo somando menos pontos do que a rival (44 a 46).

O segundo set começou favorável para a atleta da casa, que obteve uma quebra logo no terceiro game e administrou bem a vantagem até falhar na reta final. Barty perdeu dois set-points seguidos sacando em 5/4 para empatar a partida, mas não conseguiu encaixar os primeiros serviços e viu Kenin devolver o break e deixar tudo igual em 5/5.

As chances desperdiçadas mais uma vez mexeram com a cabeça da australiana, que baixou o nível nos games seguintes e só venceu mais dois pontos até o fim do jogo, sendo quebrada no 12º e último game. Kenin terminou o embate com menos da metade dos winners de Barty (16 a 33), mas teve menos erros não forçados (25 a 36).

Comentários