Notícias | Dia a dia | Australian Open
'Queremos amá-lo', dizem australianos sobre Kyrgios
26/01/2020 às 22h30
André Casado, Especial para TenisBrasil

A nova geração de tenistas australianos vem animando o público. O número de jogadores e os resultados cada vez mais expressivos, em simples e em duplas, aumentaram a confiança dos anfitriões do primeiro Grand Slam da temporada. O feminino já tem a atual número 1 do mundo, Ashleigh Barty. Mas e entre os homens? O bad-boy Nick Kyrgios é o principal nome e vive uma relação de amor e ódio com adversários, imprensa e até com seus fãs.

Uma frase mais emblemática é repetida em Melbourne por vários australianos.

“Todos queremos amá-lo (Kyrgios). Às vezes é possível, às vezes não. Ele é certamente divertido de se assistir. Vinha sendo um idiota, mas agora acho que está amadurecendo. Ele sempre vai ter um estilo diferente e isso é muito bom. Mas queremos sentir orgulho do nosso jogador”, disse Matt Kovalski, durante a vitória do número 26 do mundo sobre o francês Gilles Simon, pela segunda rodada do torneio.

Em um dos intervalos da mesma partida, uma repórter apareceu no telão para entrevistar três senhoras, que trajavam uma camiseta com a foto de Roger Federer. Questionadas, disseram que amam o suíço. "Mas não tanto quanto amam Kyrgios, certo?", retrucou a repórter. "Bom, estamos felizes em apoiar um australiano", respondeu uma delas, provocando risadas no público da Melbourne Arena.

Nesta segunda-feira, a partir das 5h da manhã (horário de Brasília), ele tem mais uma chance de conquistar de vez um lugar no coração dos compatriotas, ao entrar em quadra contra o espanhol Rafael Nadal pelas oitavas de final. Ambos são desafetos e Kyrgios já o criticou mais de uma vez. Contra Simon, chegou a imitar o tradicional ritual do número 1 do mundo quando recebeu uma advertência por demorar a sacar.

Kyrgios tem sido capa dos jornais frequentemente desde o início do Australian Open. Foi ele que liderou as ações para ajudar na recuperação dos incêndios que devastaram as florestas do país e disse que doaria AUD$ 200 (R$ 560) a cada ace que fizesse desde a ATP Cup. A direção do Grand Slam foi na mesma onda e ficou decidido que seriam arrecadados AUD$ 200 em todos os aces disparados - AUD$ 100 do jogador que fez o ponto, AUD$ 100 por parte da própria organização.

Apesar de ser o número 2 do país, é nele em que se deposita as maiores esperanças de título. Mesmo quando tinha Lleyton Hewitt, que foi líder do ranking por 80 semanas entre 2001 e 2003, e Patrick Rafter, que alcançou o posto de número 2 do mundo, a Austrália não tem um campeão de simples em casa. O último foi Mark Edmonson, em 1976. Entre as mulheres, Chris O'Neil venceu em 1978.

“Não temos um grande jogador entre os homens há algum tempo, então precisamos torcer pra ele, mostrar que contamos com ele. Meu pai sempre falou sobre a tradição da Austrália no tênis, mas não temos conseguido ganhar aqui”, lembrou o torcedor Jason McNally, que esteve no complexo duas vezes uniformizado com a família.

Outros australianos não empolgam

Os australianos detêm mais de 100 títulos em casa, entre simples e duplas. Hoje, Alex de Minaur é o número 1, mas não jogou o torneio por lesão. Ele tem 20 anos e fez uma ótima temporada em 2019 (com três títulos de ATP 250). Mas tanto ele quanto John Millman (47 do mundo), que esteve a dois pontos de vencer Roger Federer no tiebreak do quinto set, pela terceira rodada, ainda não empolgaram o público.

“São bons de corpo e alma, mas falta aquela coisa de campeão que talvez Kyrgios tenha”, acredita Kovalski.

A dedicação de Millman em quadra, inclusive, criou a "Millmania". Cartazes e camisetas com o nome do jogador foram levados por fãs, e não são apenas seus compatriotas. No entanto, contra o suíço, campeão em Melbourne seis vezes, a torcida ficou dividida.

“Foi muito legal a atmosfera, mas acho que apoiaram mais o Roger. Tinha um cara que me chamou de vários nomes, queria me atrapalhar, e eu o xinguei de volta”, contou Millman, um tanto resignado.

Barty já está nas quartas

Enquanto isso, a atual campeã de Roland Garros, Ashleigh Barty, permanece firme na busca por seu primeiro título em Melbourne. Ela alcançou as quartas de final pela segunda vez consecutiva com a vitória sobre a norte-americana Alisson Riske (6/3, 1/6 e 6/4) e agora terá, na terça-feira, a revanche contra a tcheca Petra Kvitova, que a eliminou em 2019 na mesma fase.

Lista dos jogadores australianos na chave masculina do Australian Open 2020:

Nick Kyrgios - Oitavas de final

Alexei Popyrin - Terceira Rodada

John Millman - Terceira Rodada

Jordan Thompson - Segunda Rodada

Alex Bolt - Segunda Rodada

Marc Polmans - Segunda Rodada

James Duckworth - Primeira Rodada

Chris O'Connel - Primeira Rodada

Andrew Harris - Primeira Rodada

John Patrick Smith - Primeira Rodada

Comentários