Notícias | Dia a dia
Serena tenta faturar simples e duplas pela 11ª vez
11/01/2020 às 13h30

Serena já fez dez 'dobradinhas' ao longo de sua vitoriosa carreira profissional

Foto: Divulgação

Auckland (Nova Zelândia) - Finalista em simples e duplas no WTA de Auckland, Serena Williams tenta conseguir uma dobradinha pela 11ª vez em sua carreira. A veterana de 38 anos terá um domingo cheio na Nova Zelândia, mas pode sair de quadra com dois troféus.

A final de simples começa à 1h da manhã (de Brasília) deste domingo. Serena enfrentará a também norte-americana Jessica Pegula, 82ª do ranking. A ex-número 1 e atual décima colocada tenta conquistar o primeiro título desde o nascimento da filha, Alexis Olympia, em setembro de 2017. Há quase três anos, Serena conquistou seu título mais recente no Australian Open.

Logo depois da final individual e da cerimônia de premiação, Serena terá um descanso de aproximadamente trinta minutos. Depois disso, ela retorna à quadra ao lado da dinamarquesa Caroline Wozniacki. Elas enfrentam as norte-americanas Asia Muhammad e Taylor Townsend.

Nas dez vezes que Serena conseguiu triunfar em simples e duplas no mesmo torneio, nove foram ao lado da irmã Venus Williams. Elas conseguiram esse feito quatro vezes em Wimbledon (em 2002, 2009, 2012 e 2016) três no Australian Open (em 2003, 2009 e 2010), uma no US Open de 1999 e outra nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

Serena também tem uma dobradinha na cidade alemã de Leipzig, em 2002, jogando ao lado da alemã Alexandra Stephenson. Em sua carreira, Serena já alcançou finais de simples e duplas doze vezes. A única ocasião em que ela não saiu de quadra com os dois troféus foi em 2008, em Wimbledon, quando perdeu a final de simples para Venus Williams.

Serena aposta em futuro promissor para rival
A respeito da tranquila vitória por duplo 6/1 na semifinal contra a também norte-americana Amanda Anisimova, Serena aposta em futuro promissor para a jovem rival de 18 anos e 25ª do ranking. A ex-número 1 do mundo também trouxe palavras de carinho para Anisimova, que viveu um drama familiar no ano passado após a perda do pai.

"Joguei bem hoje. E gosto muito dela, não sei exatamente por que. Acho ela um doce de pessoa, gosto dela e da mãe dela. Eu soube do que aconteceu com ela e entendo como ela se sente, porque eu também vivi algo parecido [Serena perdeu uma irmã, Yetunde, em 2003] e eu já a admirava antes disso. Ela vai fazer parte do futuro do tênis norte-americano e tem ótima atitude em quadra".

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis