Notícias | Dia a dia
Após polêmica, Slams mudam regra de desistências
30/12/2019 às 10h33

Situação envolvendo a britânica Katie Boulter em Roland Garros causou polêmica na época

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - A Federação Internacional de Tênis (ITF) atualizou o livro de regras para os Grand Slam de 2020 e promoveu algumas mudanças no regulamento. As medidas já passam a valer no Australian Open, que começa no dia 20 de janeiro. Um dos principais pontos diz respeito à premiação entregue aos jogadores desistentes.

A partir da próxima temporada, os jogadores que ficarem afastados das competições por mais de 30 dias e desistirem de um Grand Slam após o sorteio da chave principal só terão direito a receber premiação em dinheiro se tiverem atuado em pelo menos um torneio preparatório nas três semanas anteriores.

Desde a temporada de 2018, a ITF instituiu que os jogadores poderiam manter 50% da premiação em dinheiro se desistissem de um Grand Slam antes de entrar em quadra. A medida visava reduzir o número de partidas precocemente encerradas por conta de desistências de atletas que entravam em quadra claramente fora de suas melhores condições físicas. Em contrapartida, um tenista que não conseguisse completar um jogo ou que apresentasse um desempenho abaixo do considerado ideal correria o risco de não receber nenhuma premiação.

No entanto, o novo sistema acabou causando um outro tipo de situação polêmica. Tenistas que já estavam lesionados há bastante tempo mantinham suas inscrições para os Grand Slam até o sorteio da chave. Dessa forma, anunciavam a desistência apenas às vésperas de suas partidas de estreia para receber parte da premiação em dinheiro. O argumento a favor desses atletas é que eles conseguiram dentro de quadra os resultados e o ranking necessários para entrar na chave principal de um Grand Slam e, por isso, teriam direito à premiação financeira, que já é muito alta desde as primeiras rodadas.

Isso aconteceu com a britânica Katie Boulter na última edição de Roland Garros. Ela estava sem jogar desde abril, por conta de uma fratura nas costas, e não havia disputado nenhum torneio no saibro. Mas só deixou para anunciar a desistência no dia 24 de maio, dois dias antes de o Grand Slam francês começar. Dessa forma, recebeu 50% da premiação de primeira rodada em Paris. O valor ficou em torno de 23 mil euros. Bastante criticada na época, Boulter não fez nada fora das regras, mas só voltaria a jogar em novembro. A atleta de 23 anos ocupa atualmente apenas o 319º lugar do ranking.

A ITF esclareceu que os tenistas podem utilizar esse recurso para receber 50% da premiação em até dois Grand Slam por ano. Também foi divulgado que os atletas que entrarem na chave como lucky-loser ganham a premiação do quali e mais 50% do prêmio de primeira rodada. Em caso de vitória, fica mantida apenas a premiação conquistada na chave principal.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis