Notícias | Dia a dia
Relembre os juvenis que não repetiram sucesso
18/12/2019 às 16h34

O brasileiro Tiago Fernandes venceu o torneio juvenil do Australian Open de 2010, mas parou de jogar em 2014

Foto: Arquivo
Mário Sérgio Cruz

Ainda que muitas jovens promessas do tênis confirmem as expectativas sobre elas, com transições bem sucedidas do circuito juvenil para o profissional, o sucesso nas competições de base nem sempre é repetido na elite do esporte. São constantes os casos de tenistas que conquistaram títulos de Grand Slam como juvenis ou atingiram as primeiras colocações no ranking mundial da categoria, mas não tiveram tanto brilho no circuito profissional.

Lesões, problemas de saúde, dificuldades financeiras e questões emocionais são alguns dos fatores que impediram que alguns juvenis talentosos atingissem seus objetivos. Alguns desses jovens atletas já pararam de jogar e se dedicam a outras áreas, outros seguem em atividade em torneios menores ainda em busca da realização pessoal no tênis.

Confira alguns exemplos de juvenis de destaque que não repetiram o sucesso no circuito profissional.

Daniel Berta (Suécia, 27 anos)
Campeão juvenil de Roland Garros em 2009, Berta terminaria aquela temporada na liderança do ranking mundial da categoria. Como profissional, atingiu no máximo o 637º lugar da ATP, em janeiro de 2012. O sueco só disputou dois challengers e alcançou uma final de future. Seu último torneio profissional foi em 2013.

O número 2 do ranking mundial juvenil daquele ano também não teve grande sucesso. O francês Gianni Mina segue em atividade aos 27 anos e ocupa o 940º lugar do ranking. Atleta natural de Guadalupe, ele alcançou a 219ª posição do ranking em 2015. O jogador de maior sucesso daquela temporada acabou sendo Pierre-Hugues Herbert, número 9 do ranking juvenil em 2009. Herbert é o atual 65º do ranking de simples da ATP e número 5 do mundo entre os especialistas em duplas.

Noppawan Lertcheewakarn (Tailândia, 28 anos)
Vencedora do torneio juvenil de Wimbledon em 2009, Noppawan Lertcheewakarn foi a única tailandesa a ganhar um título desse porte. Ela terminaria aquela temporada na vice-liderança do ranking mundial da categoria. Entre as profissionais, chegou ao 149º lugar no ranking de simples da WTA e à 97ª posição nas duplas. O top 5 do ranking juvenil daquele ano teve jogadoras que se destacariam posteriormente como Kristina Mladenovic, Timea Babos, Heather Watson e Daria Gavrilova.

Tiago Fernandes (Brasil, 26 anos)
Primeiro brasileiro a conquistar um título juvenil de Grand Slam em simples, Tiago Fernandes foi campeão no Australian Open em 2010, além de liderar o ranking mundial da categoria. Mas a carreira profissional do alagoano durou pouco tempo. Ele anunciou sua aposentadoria das quadras em 2014, com um título de future e uma final de challenger no currículo. Seu melhor ranking foi o 371º lugar.

Quando anunciou que estava encerrando a carreira, Fernandes afirmou que o tênis já não o satisfazia mais pessoalmente ou profissionalmente, além de negar que estivesse parando de jogar por falta de apoio. Ele voltou a morar em Maceió e passou a estudar Engenharia Civil.

An-Sophie Mestach (Bélgica, 25 anos)
Mestach foi campeã juvenil do Australian Open em 2011 e atingiu a liderança do ranking. Apontada como uma sucessora natural de nomes como Kim Clijsters e Justine Henin, a belga sofreu com graves lesões, especialmente no ombro, ainda durante a carreira juvenil.

No circuito profissional, Mestach teve mais sucesso nas duplas. Ela conseguiu dois títulos de WTA e alcançou a 64ª colocação em fevereiro de 2016. Em simples, também alcançou o top 100, chegando a 98ª posição em 2015. A carreira da belga terminou em setembro de 2018. Entre os motivos que a fizeram parar de jogar estavam a dificuldade de encontrar parceiras nas duplas e o fato não conseguir atingir os objetivos que ela mesma havia traçado.

Luke Saville (Austrália, 25 anos)
Campeão juvenil de Wimbledon em 2011, Luke Saville terminaria aquele ano no segundo lugar do ranking da categoria, atrás de Jiri Vesely. A lista ainda tinha nomes como Dominic Thiem em quarto lugar e o brasileiro Thiago Monteiro em sétimo. Saville chegou a liderar o ranking juvenil em 2012. Entre os profissionais, atingiu no máximo o 152º lugar e jogou duas finais de challenger. Ele ocupa atualmente a 322ª posição.

Oliver Golding (Grã-Bretanha, 26 anos)
A carreira juvenil de Oliver Golding terminou em 2011, quando ele foi campeão do US Open e chegou à vice-liderança do ranking da categoria. No circuito profissional, não passou do 324º lugar da ATP, conquistando seis títulos em torneios de nível future e mais duas vitórias em challenger.

Golding anunciou a aposentadoria ainda em 2014, aos 20 anos. Três temporadas depois, em 2017, ensaiou um retorno ao circuito e chegou a ganhar seu último título profissional na Itália. Um dos motivos que o fizeram parar de jogar foi a impossibilidade de se manter financeiramente disputando torneios menores.

Annika Beck (Alemanha, 25 anos)
A alemã Annika Beck teve uma carreira curta e boa no circuito profissional, mas parou de jogar no fim do ano passado, com apenas 24 anos. Campeã juvenil de Roland Garros em 2012, Beck conquistou dois títulos de WTA, em Luxemburgo e em Quebec, e alcançou a 37ª colocação no ranking mundial. Uma das maiores vitórias de sua carreira foi sobre Simona Halep em 2014.

Depois de terminar cinco temporadas consecutivas no top 50, Beck sofreu uma grave lesão nas costas, que a deixou mais de um ano sem jogar profissionalmente. O problema crônico motivou sua decisão de pendurar as raquetes e se dedicar aos estudos.

Elizaveta Kulichkova (Rússia, 23 anos)
A russa Elizaveta Kulichkova foi outra jogadora de sucesso no circuito juvenil, mas que parou de jogar precocemente. Kulichkova venceu o Australian Open juvenil de 2014 e alcançou a terceira posição no ranking da categoria. Ela chegou ao top 100 entre as profissionais, ocupando a 87ª posição em 2016, mas nunca disputou uma final de WTA e está sem jogar desde o US Open de 2017. Nas primeiras posições do ranking juvenil de 2014 estavam nomes como Daria Kasatkina, Jelena Ostapenko e Marketa Vondrousova. 

Omar Jasika (Austrália, 22 anos)
O canhoto australiano Omar Jasika foi campeão juvenil do US Open em 2014 e atingiu o sexto lugar no ranking. Entre os profissionais, tem um título de challenger e mais dois de future. A melhor marca de sua carreira no ranking foi a 239ª colocação, alcançada em abril de 2017.

Atualmente, Jasika está sem ranking enquanto cumpre uma suspensão imposta pela Agência Nacional Antidoping da Austrália. Ele testou positivo para cocaína durante a seletiva local para o Australian Open de 2018. Com isso, fica afastado das competições por dois anos, entre março de 2018 e março de 2020.

Roman Safiulin (Rússia, 22 anos)
O russo de 22 anos Roman Safiullin é contemporâneo de nomes como Andrey Rublev, Karen Khachanov e Daniil Medvedev, mas ainda não conseguiu repetir o sucesso de seus compatriotas no circuito. Campeão juvenil do Australian Open em 2015, Safiulin foi o número 2 do ranking mundial da categoria. Como profissional, tem bons números em torneios de nível future, já com 19 títulos, sendo três deles neste ano. O russo ocupa atualmente o 255º lugar no ranking da ATP.


Comentários
Loja - livros
Suzana Silva