Notícias | Dia a dia
Bellucci revela depressão após suspensão por doping
17/12/2019 às 09h00

São Paulo (SP) - Plataforma criada pelo tenista norte-americano Noah Rubin para combater o estigma de falar sobre saúde mental entre os companheiros de circuito, o Behind The Racquet teve a colaboração do paulista Thomaz Bellucci, que abriu o coração e falou sobre as dificuldades que enfrentou para se tornar profissional, destacando principalmente a pressão dos pais quando era mais jovem e o problema que teve com o antidoping.

O canhoto de Tietê começou falando sobre o seu momento atual e a dureza para tentar recobrar seu melhor tênis. “É muito difícil jogar torneios menores que eu nunca havia jogado quando era mais novo, tem sido um processo para mim. Dois anos atrás, tive um problema com meus suplementes e medicações e fui forçado a parar por cinco meses, isso fez meu ranking cair”, disse Bellucci.

“Foi um período muito triste na minha vida. Quando estava em casa, sem competir, estava extremamente deprimido por várias razões. Estava preocupado com minha imagem e com o exemplo que sou para as crianças. Não temos muitos jogadores no Brasil e, para eles, ver um dos principais tenistas do país ser suspenso nunca é uma coisa boa”, acrescentou o atual 321 do mundo, que já esteve 300 posições mais bem colocado.

Bellucci contou que a suspensão o fez perder a confiança que poderia voltar a figurar no top 100 outra vez. “Além de tudo, tive que lidar com lesões e isso fez a minha situação ainda pior. Levou um tempo, mas agora estou melhor e olhando para o futuro. Continuo amando competir e vou me dar mais alguns anos para tentar voltar ao top 100 antes de parar”, afirmou o brasileiro, que também falou sobre a pressão que enfrentou quando criança

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

“It's very tough to be playing small tournaments, ones I didn’t play often when I was younger. It’s a process for me. Two years ago, I had a problem with my supplements and medications and I was forced to stop playing for about five months, and that is when my ranking dropped. This was a really sad time in my life, while I was home, not competing. I was extremely depressed for many reasons. I was worried about my image and the example this was setting for the kids back home. We don’t have many players in Brazil and for them to now see one of their top players suspended is never a good thing. It took some time but I am in a better place now and looking how to push forward. After this, I had no confidence that I could be back in the top 100. On top of this all I dealt with a few injuries that made the situation worse and worse. Regardless of what tournaments I play I still enjoy competing, but I am giving myself a couple more years to try to break back into the top 100 until I stop. From a young age I suffered from all the pressure my parents put on me, from what my father put on me. I think the relationship between the players and their parents are quite often a problem. Many don't know how to help their children the right way. I suffered because I wanted to become a tennis player so badly but I had to prove to my parents that I had what it took. When I stop playing I want to help parents and players learn how to manage it all and enjoy tennis, not only put the pressure on winning. I think when I was young there were too many times when I didn’t enjoy the sport. I don't blame my parents because they never played tennis, they didn’t know much. They had very little knowledge on how how hard it is to win a tournament or even become a professional. When I lost a match, I was not supported or spoken to nicely. They were just really negative. I was constantly crying after losses, knowing they were going to say something bad to me after the match. It was not a good environment for me to improve, I wasn’t relaxed or having fun...” @belluccioficial Read full story at behindtheracquet.com

Uma publicação compartilhada por Behind The Racquet (@behindtheracquet) em

“Desde pequeno, sofri com a pressão que os meus pais colocavam em mim, principalmente com a do meu pai. Acho que a relação entre tenista e os pais normalmente é conflituosa, muitos deles não sabem como guiar suas crianças no caminho certo. Sofria porque queria muito ser tenista, mas também precisava me provar”, disse Bellucci, que quer ajudar jogadores e seus pais a lidarem com a situação depois de parar.

Para o paulista, o tênis precisa ser apenas uma coisa agradável, sem colocar pressão por vitórias. “Sinto que quando era mais novo, várias vezes eu não estava aproveitando o esporte, mas não culpo meus pais, pois eles nunca jogaram tênis e não sabem muito como é. Eles têm pouco conhecimento sobre as durezas de se ganhar um torneio, de tentar ser profissional. Quando perdia uma partida, não tinha apoio, eram apenas coisas negativas”, lembrou.

“Chorava constantemente após as derrotas esperando que me dissessem algo legal depois do jogo. Não era um bom ambiente para tentar melhorar, não estava relaxado e nem me divertindo. Ainda não sei o que vou fazer quando encerrar minha carreira, não quero esquecer essas experiências, pois tudo é um aprendizado. Quero tentar passar isso à frente para as próximas gerações”, finalizou Bellucci.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis