Notícias | Dia a dia | ATP Finals
Djokovic: 'Federer foi melhor em todos os aspectos'
14/11/2019 às 20h20

Sérvio foi eliminado ainda na fase de grupos do ATP Finals, algo que não acontecia desde 2011

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Eliminado ainda na fase de grupos do ATP Finals, Novak Djokovic reconheceu a superioridade de Roger Federer no duelo decisivo desta quinta-feira. Por mais que estivesse insatisfeito com seu nível de atuação, o sérvio acredita que o algoz foi superior em todos os aspectos da partida. Cinco vezes campeão do Finals, Djokovic não era eliminado tão cedo desde 2011.

"Ele foi o melhor jogador em todos os aspectos da partida e absolutamente mereceu a vitória. Ele sacou muito bem, se movimentou bem, devolveu muito bem o meu saque. Acho que ele fez tudo certo", disse Djokovic após a derrota por 6/4 e 6/3 para Federer em Londres. Ele não perdia para o suíço há quatro anos.

"Tenho a maior admiração por ele e por tudo o que ele está fazendo em quadra", comenta sobre o rival de 38 anos. "O que ele conseguiu ao longo dos anos e o que ele ainda está mostrando no circuito é fenomenal. Ele é um exemplo, mesmo para mim, e um dos adversários mais difíceis que já tive na minha carreira. Olhar para a carreira dele e para o que ele ainda está fazendo é inspirador".

"Do meu lado, para ser honesto, não fiz muitas coisas certas nesse jogo. Eu não conseguia ler bem o saque dele. Fiz uma partida muito ruim", acrescenta o sérvio, que ainda lidera o histórico de confrontos, agora por 26 a 23. "Não estou feliz com a forma como terminei a temporada. Obviamente, não é assim que quero jogar. Mas você precisa aceitar que dias como hoje acontecem e seguir em frente".

O sérvio de 32 anos conseguiu 54 vitórias e onze derrotas em 2019. Ele conquistou dois títulos de Grand Slam, na Austrália e em Wimbledon, e também foi campeão em Madri, Tóquio e Paris. "Acho que ainda foi uma temporada muito boa, vencendo dois Grand Slam e cinco títulos. É claro que ainda estou com a cabeça quente, porque acabei de sair da quadra, mas, apesar de tudo, foi um bom ano".

Perguntado a respeito de um desconforto sentido no cotovelo, Djokovic espera que o problema não atrapalhe os planos de defender seu país na fase final da Copa Davis durante a próxima semana, em Madri. "Espero que não seja nada que me impeça de jogar em Madri. A dor foi muito forte, mas eu pude jogar o resto da partida. Se fosse algo realmente sério, acho que eu não seria capaz de segurar a raquete. Portanto, foi provavelmente apenas um movimento estranho e rápido que eu fiz naquele momento. Não tive problemas mais tarde".

A derrota também acabou com as chances de Djokovic voltar à liderança do ranking. Rafael Nadal terminará o ano na liderança pela quinta vez na carreira. "É claro que essa também era uma grande motivação para o final da temporada, mas toda vez que eu entro quadra, sempre tem algo em jogo. Sinto pressão e emoção o tempo todo, em todas as partidas, principalmente se enfrentar os melhores jogadores do mundo".

Djokovic também lamentou a derrota sofrida para Dominic Thiem na última terça-feira, quando foi superado com parciais de 6/7 (5-7), 6/3 e 7/6 (7-5). O sérvio chegou a liderar o tiebreak do terceiro set por 4-1. "Mentalmente, foi difícil perder aquele jogo. Comecei este torneio de maneira incrível, eu me sentia ótimo. Fui campeão em Paris, jogando muito bem. Provavelmente, as coisas mudaram em termos de como me sentia em quadra. Meu nível de confiança não estava alto hoje, acho que o Roger percebeu isso e usou muito bem a favor dele".

Comentários