Notícias | Dia a dia
Campeãs, francesas aprendem com erros do passado
10/11/2019 às 17h30

Nas duplas, Garcia e Mladenovic marcaram o ponto decisivo das finais da Fed Cup

Foto: Divulgação

Perth (Austrália) - Protagonistas do jogo que definiu o título da Fed Cup para a França, Caroline Garcia e Kristina Mladenovic acreditam que aprenderam com os erros do passado e que isso foi fundamental para a conquista deste domingo na Austrália. Há três anos, elas perderam em casa o jogo de duplas numa final contra a República Tcheca, que acabou decidindo o confronto.

"Eu e a Kristina já vencemos algumas partidas decisivas de duplas na Fed Cup, mas perdemos a final em Estrasburgo. Aquele jogo havia ficou preso na garganta", disse Garcia ao recordar a final de 2016. "Acho que aprendemos com a experiência que tivemos no passado. E hoje estávamos prontas para tudo. Queríamos jogar nosso melhor tênis e foi isso que fizemos".

"Nós aprendemos com nossos erros e ficamos muito unidas durante o jogo de hoje. Ela estava confiante e me deu confiança. Eu consegui me superar na rede, nunca fiz voleios tão bons na minha vida", acrescenta a francesa de 26 anos após a vitória por 6/4 e 6/3 sobre as anfitriãs Ashleigh Barty e Samantha Stosur neste domingo. Com o resultado, a França ganhou sua terceira Fed Cup, repetindo as conquistas de 1997 e 2003.

O título da Fed Cup coincide com a volta de Caroline Garcia à equipe. Ela não atuou nas duas últimas temporadas, porque queria focar no circuito de simples e chegou ao quarto lugar do ranking da WTA. Na época, a decisão não foi bem aceita por Mladenovic e por outras integrantes da equipe. Garcia credita sua volta ao trabalho do novo capitão Julien Benneteau.

"Somos jogadoras muito diferentes, com personalidades muito diferentes. Julien conseguiu adaptar seu discurso a cada uma de nós para encontrar as palavras. Ele tocou em palavras-chave, que somos uma equipe e faríamos isso juntas. O discurso que ele fez me agradou e também agradou o meu pai", comenta a francesa, que é treinada pelo pai, Louis Paul.

"Eu me senti pronta para voltar. Nos anos anteriores, quando eu abordava o assunto com meu pai, era algo muito delicado emocionalmente. Mas agora eu me senti mais forte, pensei que tinha amadurecido e que era capaz de voltar. Estou feliz por ter tomado essa decisão", complementou a experiente jogadora.

Mladenovic, também de 26 anos, foi decisiva na final contra a Austrália. Ela venceu seus dois jogos de simples, um deles contra a número 1 do mundo Ashleigh Barty, e ainda se juntou a Garcia para marcar o ponto decisivo nas duplas.

"Foi uma longa jornada. Era o sonho de uma criança. Eu me dediquei muito por essa conquista. Era algo que estava na minha lista de objetivos", disse após a definião do confronto. "Estar na Austrália e enfrentar uma equipe tão forte, com a número 1 do mundo, e ter essa batalha contra ela, com 7/6 no terceiro... Eu não acredito no que aconteceu . Levantar esse troféu é um momento inesquecível".

Já o capitão Benneteau estava cheio de orgulho pela equipe que acompanhou ao longo da temporada. "Eu sonhei com isso no começo do ano e hoje se tornou realidade. Eu sabia que, se todas as cinco estivessem juntas, elas seriam capazes de realizar grandes coisas. Era meu objetivo principal desde o início do ano e disse isso a elas. A decisão de estar aqui, 100% dedicado à equipe francesa, tinha um objetivo no final: conquistar a Fed Cup. E aconteceu. Estou muito orgulhoso por elas".

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis