Notícias | Dia a dia
Berrettini: 'Aprendi mais com Nadal que com Federer'
24/09/2019 às 13h19

Roma (Itália) - Uma das sensações da temporada, o italiano Matteo Berrettini vive a melhor fase da carreira até então, faz um 2019 cheio de pontos altos e está cada vez mais perto de entrar pela primeira vez no top 10, aparecendo atualmente na 13ª colocação, a mais alta já alcançada. Ele também briga por uma vaga no ATP Finals e está em oitavo na corrida para Londres.

“É um torneio importante e ainda me parece estranho falar sobre ele porque é algo como um sonho. Mas como já cheguei aqui, acho que agora tenho capacidade de lutar pela vaga e fechar a temporada com chave de ouro”, disse o italiano em entrevista ao Sky Sport, na qual também comparou os confrontos que teve contra dois dos maiores ícones do tênis.

Berrettini primeiro enfrentou o suíço Roger Federer nas oitavas de final de Wimbledon e depois encarou o espanhol Rafael Nadal nas semifinais do US Open, na melhor campanha de um italiano em Grand Slam nos últimos anos.

“Cheguei para o duelo contra Federer com energia e confiante, mas fisicamente acabei sucumbindo. Provavelmente perderia do mesmo jeito, mas o físico me deixou na mão. Foi uma partida na qual aprendi muito, mas talvez tenha aprendido mais contra Rafa, pois consegui jogar de igual para igual com ele por um set e meio”, explicou o tenista de 23 anos.

O italiano falou estar se sentindo bem desde o começo do ano e apontou a vitória na Davis como o clique que fez os resultados aparecerem. “Fiz uma boa partida contra (Stefanos) Tsitsipas na Austrália, mas perdi em quatro sets. Minha primeira alegria do ano foi na Copa Davis contra a índia e então fui para Roma com confiança, derrotando lá (Lucas) Pouille e (Alexander) Zverev”, observou.

Além de avaliar sua temporada, Berrettini também lembrou seu começo no esporte. “Meus pais sempre estavam no clube, eles jogavam direto e por isso digo que nasci com uma raquete na mão. Quando era pequeno também jogava futebol, mas o tênis me cativou mais e perdi um pouco a paixão pelos outros esportes”, finalizou o italiano.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis