Notícias | Dia a dia | US Open
'Não poderia ter feito pior no 1º set', diz Federer
27/08/2019 às 10h39

Nova York (EUA) - As sensações do suíço Roger Federer após sua estreia no US Open foram divididas. Por um lado, ele saiu feliz com o resultado final, a vitória de virada para cima do indiano Sumit Nagal, que veio do qualificatório, mas por outro o atual número 3 do mundo não escondeu o descontentamento com o desempenho mostrado durante o primeiro set.

“Não estava sacando com consistência, cometi muitas duplas faltas e também erros não forçados no primeiro set, que foi horroroso. Não poderia ter feito pior”, disparou o tenista da Basileia, que apesar de abrir 2/0 na parcial inicial, acabou exagerando nos erros e permitiu a reação do rival indiano, que conseguiu duas quebras e saiu na frente no placar.

“Tentar esquecer o que aconteceu no primeiro set nunca é fácil, ainda mais em uma primeira rodada. Todos esperavam um resultado diferente e um algo mais meu. Depois disso, só queria retomar meu jogo e voltar a jogar melhor”, acrescentou Federer, que fechou o primeiro set com um ace e três duplas faltas, além de 19 erros não forçados contra 10 bolas vencedoras.

O suíço também não deixou de destacar os méritos de Nagal na partida. “Apesar de jogar pela primeira vez em um cenário como esses, acho que ele foi muito bem. Seu jogo se baseia em ser muito consistente, com boa movimentação e mudando a direção da bola. É uma espécie de especialista em saibro, superfície na qual jogou basicamente durante todo o ano”, analisou.

Apesar de reconhecer que não fez uma grande partida, Federer acredita poder tirar lições do jogo e lembrou da campanha de Wimbledon, onde chegou até a final e ficou com o vice. “Talvez não seja tão ruim encarar uma partida assim, foi similar em Wimbledon, quando perdi o primeiro set na rodada inicial. No final, fico com o que fiz nos três últimos sets, que foram bons”.

Por fim, o dono de 20 títulos de Grand Slam falou sobre as condições encontradas no Arthur Ashe Stadium em sua estreia na competição. “Por ser uma sessão noturna, a quadra fica um pouco mais lenta, o que ajuda um cara que gosta de manter a bola em jogo como ele, que fez um grande trabalho, principalmente na movimentação”, encerrou o suíço, que agora terá pela frente o bósnio Damir Dzumhur.

Comentários