Notícias | Dia a dia | US Open
Recorde de Slam é ambição, afirma Djokovic
25/08/2019 às 09h49

Descontraído, Djokovic dançou com as crianças durante o sábado de festa e música no US Open

Foto: Site oficial

Nova York (EUA) - Campeão em quatro dos cinco últimos torneios de Grand Slam, o sérvio Novak Djokovic reduziu a distância para os dois jogadores que mais possuem troféus de Grand Slam: está com 16, apenas dois atrás de Rafael Nadal e a quatro de Roger Federer. E ele não esconde que superá-los é um objetivo.

"Sei do que se comenta sobre a disputa pela liderança nos títulos de Grand Slam, não posso me desconectar disso completamente", garantiu o sérvio. "Mas ao mesmo tempo existe um longo caminho pela frente e me dá um certo grau de responsabilidade para alcançá-lo. É sem dúvida uma das minhas ambições. Tenho 32 anos e ainda me sinto muito jovem dentro e fora da quadra".

Veja o quadro de maiores campeões de Grand Slam

Sobre suas memórias da recente final histórica em Wimbledon, em que salvou dois match-points antes de derrotar Roger Federer no tie-break do quinto set, o líder do ranking classificou como um dos dois jogos mais emblemáticos de sua carreira: "Foi tão especial como a final do Australian Open de seis horas, em 2012, diante de (Rafael) Nadal. Mas não gosto de ficar olhando muito para o passado, exceto para me motivar".

Vencedor em 2011, 2015 e 2018, Djokovic entrará em quadra para tentar algo ainda inédito para ele, que é defender o título do US Open. "Já tive muito êxito nestas quadras, especialmente a Arthur Ashe, onde perdi poucas vezes na sessão noturna. O ambiente ali é muito diferente de Wimbledon e é preciso se adaptar".

Questionado sobre a entrada de Nadal e Federer no Conselho dos Jogadores, em que é presidente e tem encarado polêmicas, Djokovic foi político: "Tem sido um impacto para os jogadores que os três líderes do ranking estejam hoje no Conselho de 10 tenistas, acho que isso nunca aconteceu. Teremos reuniões proveitosas".

Comentários
Faberg
Roland Garros Series