Notícias | Outros
Roland Garros virtual: carioca é bi da etapa nacional
22/03/2019 às 21h31

Rogério e Murilo na final em São Paulo.

Foto: Marcello Zambrana / RGeSeries

São Paulo (SP) – O economista carioca Rogério Corrêa é bicampeão da etapa brasileira do Roland-Garros eSeries by BNP Paribas e, mais uma vez, representará o país na final mundial, em Paris, na França. O torneio virtual de tênis foi realizado nesta quinta-feira, no Good Game E-Sports Bar, em São Paulo (SP). Em sua segunda edição, o evento repetiu a final de 2018, com Corrêa derrotando o paulista Murilo Castro. Para ficar com o título em 2019, marcou 4/3 (7/3), 2/4 e 10-2. No ano passado, chegou até à semifinal na França.

Duas edições, duas conquistas de Rogério, que recebeu pela segunda vez, como prêmio, a viagem para a capital francesa, com tudo pago, para participar da etapa decisiva, este ano junto com vencedores nacionais de outros nove países. A competição será realizada dentro da programação de Roland-Garros, segundo Grand Slam do ano, que acontece de 26 de maio a 9 de junho. O carioca ganhou, também, premiação em dinheiro no valor de R$ 1.200. Já o prêmio para o campeão geral, em Paris, será de 5 mil euros (cerca de R$ 21.500,00).

"Vencer o torneio novamente e representar o Brasil mais uma vez em Roland-Garros é uma sensação incrível. Vou poder reviver o sonho vivido em 2018. Treinei um ano para a competição e o resultado acabou acontecendo. Estou muito feliz", comemorou Corrêa.

Esta é a segunda temporada de disputas do Roland-Garros eSeries by BNP Paribas. No Brasil, o torneio virtual de tênis foi novamente destaque. Desde este mês de março e até maio, o Roland-Garros eSeries by BNP Paribas realiza eliminatórias em dez países. Alemanha e Estados Unidos estreiam em 2019. França, China, Índia, Grã-Bretanha, Bélgica, Itália e a atual campeã Espanha, além do Brasil, participam pelo segundo ano. Os dez vencedores nacionais viajam para Paris.

O Roland-Garros eSeries by BNP Paribas é uma iniciativa da Federação Francesa de Tênis, com o patrocínio do BNP Paribas.

Comentários
Raquete novo
Suzana Silva