Notícias | Dia a dia | Australian Open
Serena treina na Austrália com jogadores top da ATP
22/01/2019 às 12h13

Serena já treinou com Dimitrov, Tsitsipas e Tiafoe em Melbourne

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Mesmo aos 37 anos e já com 23 títulos de Grand Slam no currículo, Serena Williams está disposta a aprimorar sua rotina de treinamento para seguir em alto nível. Garantida nas quartas de final do Australian Open, Serena tem dividido as quadras de treino em Melbourne com jogadores de alto nível do circuito masculino. Durante o Grand Slam australiano, a ex-número 1 do mundo e atual 16ª colocada no ranking da WTA já dividiu quadra com Stefanos Tsitsipas (15º na ATP), Grigor Dimitrov (21º), Frances Tiafoe (39º) e Christopher Eubanks (170º).

"Acho muito importante que ela seja desafiada nos treinos, porque assim ela pode se tornar muito melhor do que já é", disse o técnico Patrick Mouratoglou, em entrevista ao New York Times. "Se você não for desafiado, não terá chance de melhorar. Eu achava que essa seria uma boa ideia, então tentamos uma vez e realmente amamos".

Mouratoglou treina Serena desde 2012 e conta que a primeira experiência para esse tipo de treino foi realizada no ano passado, em sua academia na França, ao lado do australiano Thanasi Kokkinakis, ex-número 69 e atual 144º colocado. "Ela me disse: 'Wow! Foi ótimo, tive ritmo e foi exigente. Eu me senti desafiada'. E eu achei que ela jogou um tênis incrível".

O treinador esclarece que Serena também continua viajando com rebatedores para os torneios do circuito. Durante oito anos, ela teve como escudeiro o alemão Sascha Bajin, que foi apenas 1.149º no ranking da ATP e hoje é técnico de Naomi Osaka. Serena também já bateu bola com Robbye Poole, ex-número 414, e atualmente viaja com Jarmere Jenkins, que chegou ao 190 lugar do ranking. Apesar de satisfeito com o trabalho dos rebatedores, Mouratoglou entende que Serena precisa sair da zona de conforto.

"Ela basicamente sabe onde ele vai bater cada bola com antecedência, porque ela treina com ele todos os dias, então não há surpresa", explica o experiente treinador. "Ela não se sente desafiada porque o conhece muito bem. E ela o controla, de certa forma, porque ele é seu empregado. Mesmo inconscientemente, ela faz com que ele jogue do jeito que ela quer".

"O relacionamento com os jogadores profissionais é completamente diferente, porque ela tem que dar à eles um bom ritmo e uma boa bola para eles também, para que ela não possa perder o foco", acrescenta Mouratoglou, que relata a conversa que teve com Eubanks: "Jogue do seu jeito. É o seu treino também".

Alguns jogadores que treinaram com Serena relataram a experiência. "Ela bate na bola com muita força. E numa quadra rápida com aqui, eu estava derrapando" disse Tiafoe. "Não estou acostumado com a bola chegando tão reta. Isso foi algo que eu realmente tive que me adaptar", explica o norte-americano de 20 anos.

"Quando eu pensava que eu iria acertar alguns bons golpes, que até alguns jogadores do masculino sentem dificuldade, ela elevou o nível e lidou muito bem com isso", comentou Kokkinakis. Já Eubanks citou também o aspecto mental do treino. "Serena tem, na minha opinião, uma das batidas de bola mais limpas do tênis. Eu estava o tempo todo em ritmo acelerado, porque ela não dá tempo suficiente para que você trabalhe muito com as pernas. Tentei ser o mais profissional possível, porque quando você está em quadra com Serena Williams, você não quer que ela pense que você não sabe jogar".

Embora os treinos entre homens e mulheres da elite do circuito ainda sejam minoria, algumas experiências parecidas já foram adotadas recentemente. No ano pasado, em Roma, Rafael Nadal e Maria Sharapova atraíram grande público para uma sessão de treinos no saibro do Foro Italico. Já neste início de temporada, foi a vez de Andy Murray dividir a quadra com Naomi Osaka em Brisbane.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series