Notícias | Dia a dia | Australian Open
Chuva de mensagens não muda foco de Tsitsipas
22/01/2019 às 07h24

Campanha na Austrália faz o grego se tornar uma celebridade em seu país

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Melbourne (Austrália) - A histórica campanha de Stefanos Tsitsipas neste Australian Open tem mudado o patamar do jovem grego de 20 anos dentro do circuito. Primeiro jogador de seu país a alcançar uma semifinal de Grand Slam, Tsitsipas conta que tem recebido uma série de mensagens, especialmente depois de ter vencido Roger Federer pelas oitavas de final no último domingo, mas que a maior exposição de sua imagem não muda seu foco no torneio.

"Recebi um monte de mensagens, muitos parabéns de pessoas, de celebridades lá da Grécia e de gente que eu nunca pensei que assistisse tênis. Senti que aquilo teve um grande impacto no país. Foram muitas mensagens, parabéns das pessoas, pessoas me mandando vídeos, fotos e qualquer coisa", disse Tsitsipas sobre o impacto que vitória sobre Federer teve em seu país.

"Eu queria me concentrar no meu próximo jogo. Eu sabia que a vitória contra o Federer era importante, inclusive para a minha imagem, mas eu sabia que o maior desafio era a partida de hoje, que eu posso provar mais uma vez", acrescenta o grego, que nesta terça-feira venceu o espanhol Roberto Bautista Agut por 7/5, 4/6, 6/4 e 7/6 (7-2).

"A primeira noite foi difícil de processar. No começo foi difícil dormir, para ser honesto. Eu tive uma dor no meu dedo do pé que me manteve acordado. Em geral, senti um pouco de dor no meu corpo e tensão. Dormi menos de seis horas. Estava preocupado com o meu próximo jogo, se conseguisse dormir bem no dia anterior, mas dormi muito melhor no dia seguinte", complementou o atual número 15 do ranking mundial.

Tanto Tsitsipas quanto Bautista Agut, jogador de 30 anos e 24º do ranking, lutavam por uma inédita semifinal de Grand Slam. "Roberto estava jogando muito bem hoje. Ele mostrou um bom tênis a semana toda, mas no final foi completamente diferente do que eu imaginava antes da partida", explicou o grego.

"O que eu percebi recentemente é que seu adversário sente exatamente a mesma coisa que você sente. É um jogo bem equilibrado. A diferença é quem vai pressionar mais e ser mais agressivo que o outro. Mas eu me surpreendi um pouco com o meu desempenho, sim", completa o jovem jogador, que pode chegar ao top 10 se for finalista em Melbourne.

Tsitsipas é treinado pelo próprio pai, Apostolos, e é filho da ex-jogadora profissional Julia Salnikova. Até por isso, o grego o fato de sua família conhecer a rotina do circuito. "É importante ter uma família tão acostumada com o tênis e que tenha uma boa compreensão do que está acontecendo. Muitos pais não têm ideia do que devem fazer por seus filhos. Eu me sinto sortudo por ter pais que sabem muito sobre esse esporte".

Em busca de um lugar na final em Melbourne, Tsitsipas pode enfrentar o número 2 do mundo Rafael Nadal ou ter um duelo da nova geração diante de Frances Tiafoe. O grego sabe o que esperar para ambos os casos, ele venceu os dois jogos que fez contra Tiafoe e perdeu duas vezes para Nadal, nas finais do ATP 500 de Barcelona e do Masters 1000 de Toronto do ano passado.

"Joguei contra o Nadal uma vez no saibro e uma vez em quadra dura. Eu me senti muito perto de derrotá-lo em Toronto, embora o placar tenha sido 6/2 e 7/6. Lembro-me de voltar ao vestiário e prometer a mim mesmo que jogaria muito melhor contra ele na próxima vez. Parecia que eu entendia um pouco melhor o que ele fazia em quadra depois, e especialmente no piso duro. No saibro, foi uma história diferente. Perdi por 6/1 e 6/2 e senti que não tivesse qualquer chance. No saibro ele tem outro nível".

"Sobre o Tiafoe, eu o enfrentei algumas vezes. É bom jogador da nova geração e cara engraçado também. É bom ter caras como ele no circuito, porque ele tem uma personalidade diferente. Fizemos um bom jogo em Milão há alguns meses, durante o Next Gen ATP Finals. Foi um bom show. Se Tiafoe ganhar, acho que será bom também que dois jogadores da nova geração estejam em uma semifinal de de um torneio tão importante".

Comentários
Faberg
Roland Garros Series