Notícias | Dia a dia | ATP Finals
Zverev brilha, derruba Djokovic e fatura o Finals
18/11/2018 às 17h39

Zverev é o terceiro alemão a conquistar o ATP Finals e deu o quinto título ao país

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Em um final de semana excelente, Alexander Zverev derrubou dois dos maiores vencedores do ATP Finals para conquistar um título inédito no torneio entre os oito melhores da temporada. Um dia depois de derrubar o hexacampeão e recordista de títulos Roger Federer, o jovem alemão de 21 anos e número 5 do mundo passou pelo líder do ranking mundial e cinco vezes campeão Novak Djokovic, ao marcar as parciais de 6/4 e 6/3 em 1h20 de partida.

O décimo título de ATP na carreira de Zverev é, sem dúvida, o de maior prestígio. Até então, as maiores conquistas do alemão foram os Masters 1000 de Roma e Montréal do ano passado e de Madri em 2018. Em número de conquistas, a temporada com quatro troféus ainda fica atrás do ano passado, quando o germânico venceu cinco torneios.

Zverev é o mais jovem campeão do Finals desde o próprio Djokovic, que tinha os mesmos 21 anos quando venceu a edição de 2008. O recorde pertence a John McEnroe, que venceu o torneio em 1978 com apenas 19 anos. O alemão é o terceiro atleta de seu país a conquistar o Finas, sendo que Boris Becker foi tricampeão em 1988, 1992 e 1995, enquanto Michael Stich triunfou em 1993.

Superado por Djokovic durante a fase de grupos do ATP Finals, Zverev recebe 1.300 pontos no ranking. A premiação total do alemão será de US$ 2,5 milhões. Já o sérvio receberá 1.000 pontos no ranking e ganha US$ 1,43 milhão. Enquanto o Djokovic encerrará um ano como número 1 do mundo pela quinta vez na carreira e precisa terminar apenas mais uma temporada no topo do ranking para igualar o recorde de Pete Sampras, Zverev termina a segunda temporada consecutiva na quarta posição.

O resultado deste domingo igualou o histórico de confrontos entre Djokovic e Zverev, e a vitória do alemão impede que o sérvio iguale o recorde de conquistas de Roger Federer no torneio. Djokovic ficou com o vice no ATP Finals apenas pela segunda vez na carreira, repetindo o que aconteceu em 2016, quando perdeu a decisão para o britânico Andy Murray. Empatados com Djokovic na lista de maiores vencedores estão Ivan Lendl, hoje técnico de Zverev, e Pete Sampras.

Logo no primeiro game da partida, Djokovic já teve trabalho e precisou disputar alguns pontos longos, mas sobreviveu perdendo apenas um ponto. Zverev fez um primeiro set impecável em seus games de serviço, colocando 88% de primeiros saques em quadra e só perdeu quatro pontos no serviço durante o set inicial. Ao contrário da véspera contra Federer, alemão ia com menos frequência à rede e optou pelo jogo de fundo.

Djokovic chegou à final do torneio sem ter seu serviço quebrado e enfrentando apenas dois break points. Com o placar empatado por 4/4, o sérvio fez um game muito ruim e errou em dois forehands que permitiram a quebra ao alemão. Sacando para fechar, o jovem de 21 anos encaixou três aces e não se abalou pela oportunidade perdida no primeiro set point, quando errou um voleio fácil, e definiu o set no ponto seguinte. Zverev liderou nos winners por 13 a 4 e cometeu apenas sete erros contra cinco de Djokovic em set de 39 minutos.

O segundo set teve um começo incomum em relação a todo o torneio, com três quebras de saque seguidas. Zverev começou em vantagem, cedeu o empate em game com duas duplas faltas, mas voltou a quebrar o saque de Djokovic logo depois. O sérvio começava a sinalizar o desgaste, agachou-se após uma longa troca de bolas e falhou novamente com forehands sem potência. À frente no placar, o alemão precisava resistir mentalmente e o fez com maestria, sem enfrentar mais break points e conquistando uma nova quebra em uma incrível passada para chegar à maior vitória da carreira. Zverev fez 20 a 7 em winners e terminou o jogo com 23 erros não-forçados contra 18 do sérvio.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series