Notícias | Dia a dia | US Open
Mais consistente, Stephens passa por Azarenka
31/08/2018 às 15h25

Stephens venceu a terceira seguida contra Azarenka e finalmente deixou o histórico empatado em 3 a 3

Foto: Garrett Ellwood/USTA

Nova York (EUA) - Abrindo a sexta-feira no Arthur Ashe Stadium, atual campeã Sloane Stephens encarou um enorme teste já na terceira rodada, medindo forças com a bielorrussa Victoria Azarenka, ex-número 1 do mundo e duas vezes vice-campeã no US Open. Mais consistente, a norte-americana levou a melhor em sets diretos, anotando placar final de 6/3 e 6/4, depois de 1h45 de jogo.

Nas oitavas de final, Stephens terá como adversária a belga Elise Mertens, cabeça de chave 15, que também venceu seu terceiro jogo em Flushing Meadows por 2 sets a 0, batendo a tcheca Barbora Strycova com parciais de 6/3 e 7/6 (7-4). A norte-americana se deu mal na única vez que cruzou com Mertes e foi derrotada duas semanas atrás nesta mesma fase pelo Premier de Cincinnati.

Buscando ainda recuperar a consistência que a levou duas vezes para a final em Nova York e a dois títulos de Australian Open, Azarenka até anotou mais bolas vencedoras do que a atleta da casa (21 a 19), mas o número de erros não forçados da bielorrussa fez mais diferença, terminando com 10 a mais do que Stephens (27 a 17).

Atual 79 do mundo, a bielorrussa de 29 anos dará um bom salto no ranking com as duas vitórias conquistadas no último Grand Slam da temporada e poderá chegar até a 61ª colocação na próxima lista da WTA. Do outro lado, Stephens defende o título e mesmo já alcançando as oitavas ainda corre o risco de deixar o top 10.

Sloane dominou as ações no primeiro set, não encarou um break-point sequer e ameaçou o saque da bielorrussa em quatro games diferentes, conseguindo duas quebras. A segunda parcial foi bem mais equilibrada em com chances para ambos os lados. Vika foi a primeira a perder o serviço, mas deu a volta por cima e chegou a sacar em 4/3, quando a atleta da casa deu uma arrancada final, venceu três games seguidos e ficou com a vitória.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series