Notícias | Dia a dia
Toni Nadal: 'Jovens estão menos perseverantes'
26/04/2018 às 08h44

Toni vê tudo como uma questão geracional

Foto: Arquivo

Barcelona (Espanha) - Embora muitos jovens estejam despontando no circuito ultimamente, a parte de cima do ranking segue dominada por jogadores mais velhos. Quase metade do top 20 já passou dos 30 anos e apenas quatro têm menos de 25 anos. Para o espanhol Toni Nadal, tio e ex-técnico do atual número 1 Rafael Nadal tudo se explica por uma questão geracional.

"Quando começamos, os jogadores no topo do ranking tinham 20, 25 anos, mas agora vemos (Roger) Federer com 36, (Andy) Murray e (Novak) Djokovic com 30, (Marin) Cilic 30, (Juan Martin) Del Potro 30. Houve uma mudança na sociedade e os jovens estão menos perseverantes do que eram antes, eles têm tudo e isso dificulta um pouco", disse em conversa na Catalunya Radio.

"Muitas vezes o que é bom para um profissional consolidado não é bom para um jovem em formação e por isso eles não conseguiram superar essa geração que tem ganhado durante anos", complementou o treinador espanhol, que embora não esteja mais ao lado do sobrinho, tem acompanhado as partidas de Nadal no ATP 500 de Barcelona.

Toni falou também sobre o tempo de trabalho que teve com o atual líder do ranking. "Eu me sinto um privilegiado porque faço o que gosto e porque estive com um jogador que sempre tentou dar o seu máximo. Tudo depende de ter um grande jogador e eu tive essa sorte. Tudo o que eu fiz nestes anos foi fazer a intensidade melhorar constantemente e isso só foi possível porque Rafa se esforçou".

Cuidando hoje em dia da academia de Nadal, seu tio lamentou a lesão no começo do ano, que atrapalhou bastante. "Acredito que ele estava preparado para ir à final na Austrália e aí era ver o que aconteceria contra Federer. Foi obrigado a parar, mas as coisas não poderiam estar melhores na volta, com a classificação na Copa Davis e o título em Monte Carlo", opinou.

Apesar do alto número de tenistas machucados, Toni não colocou a culpa exclusivamente no calendário. "Não creio que o calendário seja infernal, os jogadores se lesionam desde muito tempo atrás. Mas é claro que quando muitos deles se lesionam ao mesmo tempo você tem que tomar alguma medida. O tênis está muito rápido e qualquer movimento mal feito desgasta as articulações", finalizou o técnico espanhol.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis