Notícias | Dia a dia
Djokovic vai manter Vajda até o fim do saibro
20/04/2018 às 14h11

Monte Carlo (Mônaco) - Apesar da eliminação nas oitavas e final do Masters 1000 de Monte Carlo, o sérvio Novak Djokovic parece estar retomando o bom caminho no circuito. Ele mesmo se mostrou contente com o tênis apresentado durante a última semana após a derrota sofrida para o austríaco Dominic Thiem.

Um dos segredos desta fase do ex-número 1 do mundo é o técnico Marjan Vajda, que trabalhou com ele por 11 anos, mas em 2017 eles encerraram a parceria. A volta do treinador eslovaco parece ter reanimado 'Nole', que depois de dizer que seria uma colaboração pontual em Mônaco, já assegurou a permanência do treinador até o fim do saibro.

Outra mudança feita pelo sérvio, além do retorno de Vajda, foi na raquete usada. Ele manteve o mesmo modelo, mas fez ajustes para tentar diminuir um pouco a exigência no combalido cotovelo direito que o atrapalhou bastante na última temporada e que passou por cirurgia no começo de 2018.

"Estou mais confortável com essa raquete, mas ainda leva um tempo para me acostumar totalmente. Roger (Federer) fez isso alguns anos atrás e também levou alguns meses para se sentir confortável", observou Djokovic, que agora usa uma raquete um pouco mais leve e com pressão menor nas cordas.

O sérvio falou que já pensava nessa mudança há algum tempo e que tanto o norte-americano Andre Agassi quanto o tcheco Radek Stepanek, que trabalharam com ele até algumas semanas atrás, haviam concordado que seria uma boa para o seu jogo. "Sinto que ganhei potência. Principalmente no meu saque, em que ganhei angulação também", finalizou.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis