Notícias | Dia a dia
Wawrinka: 'Cheguei a pensar em me aposentar'
01/12/2017 às 10h38

Wawrinka lamentou a saída de Norman da equipe

Foto: Arquivo

Lausanne (Suíça) - O suíço Stan Wawrinka marcou uma entrevista coletiva nesta sexta-feira para falar sobre sua situação atual. Afastado do circuito desde Wimbledon por causa de uma lesão no joelho, que o levou a passar por uma operação em agosto, o dono de três títulos de Grand Slam revelou que este foi o momento mais duro da carreira e chegou inclusive a pensar em parar.

Nesta situação, quem foi crucial para Wawrinka foi o preparador físico Pierre Paganini, nome importante na equipe de Roger Federer, que auxiliou o outro suíço na recuperação. "Sem a ajuda de Paganini eu não poderia ter voltado a jogar, com certeza teria parado. Cheguei a pensar em me aposentar, mas segui adiante", afirmou o tenista de Lausanne.

"Ainda que meu joelho não esteja 100%, já estou trabalhando duro para disputar Australian Open, é essa a ideia. Faço treinos físicos seis dias por semana, mas o meu nível tenístico ainda está um pouco abaixo do normal. No momento, minha prioridade é me recuperar bem da operação no joelho, que está ainda um pouco rígido", observou Wawrinka, que conviveu com o problema no joelho por quase um ano.

"O problema começou durante o US Open de 2016 e desde então venho enrolando. A gota d'água veio neste ano na grama, quando eu tive um desgaste na cartilagem. Me arrependo de ter jogado na grama, pois isso só fez piorar minha situação", lembrou o suíço, que pretende voltar a tempo de disputar o Australian Open e já tem a programação feita para o começo de 2018.

Depois de jogar em Melbourne, ele pretende ir para Roterdã, Marselha, Indian Wells, Miami e Monte Carlo. "Não sei ainda se jogo em Genebra, gostaria de chegar a um acordo com eles, pois o torneio é incrível", disse.

Wawrinka também falou sobre a saída de Magnus Norman de sua equipe e se mostrou chateado com a decisão do sueco. "No momento mais duro de sua carreira, você deveria contar com o apoio das pessoas mais próximas. Sua saída foi uma grande decepção, uma surpresa muito ruim, fiquei em choque. Não tenho pressa em encontrar um substituto. Há vários perfis que me interessam e Paul Annacone é um dos nomes em minha lista e pode ser a solução, pois trabalhamos juntos na temporada de grama", finalizou o suíço.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva