Notícias | Dia a dia | Wimbledon
'No Brasil, só se joga futebol na grama', diz Bia
04/07/2017 às 19h51

Bia desafia a número 2 do mundo Simona Halep nesta quarta-feira

Foto: Arquivo

Londres (Inglaterra) - Primeira brasileira a vencer um jogo em Wimbledon desde 1989, Beatriz Haddad Maia tenta colocar fim a outros dois tabus do tênis feminino nacional nesta quarta-feira, quando desafia a número 2 do mundo Simona Halep por volta do meio-dia (de Brasília) na Quadra Número 1 do All England Club.

A última vez que uma brasileira venceu uma top 10 aconteceu em julho de 1989, quando Andrea Vieira derrotou a décima colocada Conchita Martinez no saibro francês de Arcachon. Dadá Vieira também é responsável pela última vitória sobre top 5, ao derrotar a tcheca Helena Sukova, então número 5, em Hamburgo.

Vinda de sua primeira vitória em Grand Slam, ao derrotar a britânica Laura Robson por 6/4 e 6/2 na última segunda-feira, quer voltar a surpreender nas quadras de grama. "No Brasil, nós apenas jogamos futebol na grama. E todos nós da América do Sul, ou da Espanha, achamos que somos melhores no saibro", disse Bia em entrevista ao site da WTA.

"Mas para mim este é o torneio mais bonito. As pessoas aqui em Londres são muito apaixonadas pelo tênis. E por isso é muito especial jogar na grama", comentou a paulistana de 21 anos e que aparece no 97º lugar do ranking mundial. Segundo estatística da própria WTA, ela é a terceira jogadora que mais evoluiu em um ano, saltando 259 posições.

Bia acredita que um fator preponderante para o bom momento de sua carreira foi ter vencido dez jogos seguidos no fim do ano passado, quando conquistou os títulos nos ITF de US$ 50 mil de Scottsdale e Waco, nos Estados Undidos.

"Eu disse para mim mesma: 'ok, se eu consegui vencer esses dois challengers, que são 10 partidas seguidas, eu posso ganhar jogos grandes. Venho fazendo bons torneios e joguei contra Stosur, Errani e Vesnina, que são jogadoras muito boas. Estou ganhando confiança, acreditando mais em mim a cada dia.

A canhota paulista também recordou do momento em que se mudou ainda no início da carreira para Balneário Camboriú, em Santa Catarina, quando foi treinar com Larri Passos. Ela avalia que a experiência foi importante para seu amadurecimento pessoal.

"Quando eu tinha 14 anos, eu me mudei de São Paulo para Santa Catarina. Eu estava sozinha, deixei minha família, amigos e a escola que estudei por toda a minha vida", disse a paulistana. "Foi difícil para mim porque morava em um apartamento e ia para a escola, treinava, e depois às 7 da noite, eu ainda tinha que cozinhar e lavar minhas roupas".

"Foi uma experiência muito boa para mim. Naquela idade, eu já tinha em mente que queria ser uma tenista profissional", completou Bia, que treinou durante quase quatro anos com Larri e depois seguiu em Santa Catarina para trabalhar com Marcus Vinicius Barbosa, o Bocão. Já a partir do ano passado, ela atua para a equipe Tennis Route, no Rio de Janeiro.

Adversária de Bia nesta quarta-feira, Halep destacou a boa vitória da paulista na estreia e espera por um jogo difícil. "Tenho que verificar como ela está jogando e conversar com meu treinador. Claro, vai ser um jogo difícil. Ela ganhou da Robson, o que mostar que ela está jogando bem na grama".

Comentários
Faberg
Roland Garros Series