Notícias | Beach Tennis
Seleção se prepara para o Mundial na Copa Rio
07/05/2017 às 08h05

Niteroi (RJ) - A Copa Rio Beach Tennis, segundo maior evento do esporte no mundo com 708 atletas de 12 países, vem servindo como último ponto de observação do capitão da Seleção Brasileira, Narck Rodrigues, para a convocação para o Mundial por Equipes que será disputado em julho, em Moscou, na Rússia. 

Narck reuniu 12 atletas para um treinamento nas principais quadras do torneio jogado na praia de Piratininga, em Niterói (RJ), e afirmou que a convocação sai na próxima terça-feira. O Brasil é um país com bastante tradição no esporte somando um título mundial por equipes em 2013, um vice-campeonato e dois vice-campeonatos com o time Sub 14. 

"Foram ótimos os treinos. Já havíamos treinado em João Pessoa. É bom para a gente colocar toda a equipe junta, caras novas já podendo fazer o contato com os mais experientes. É importante para conversar com os atletas, analisar os adversários e ter ideia de quais jogadores vou poder contar. Infelizmente só posso convocar seis, três homens e mulheres, mas não somos só esses, temos 12 que podem fazer boa figura no torneio internacional", disse Narck. 

O técnico da seleção comentou sobre o título na Paraíba da dupla Ralff Abreu e Diogo Carneiro, maior da carreira deles, que venceram o Pan-americano do ano passado despontando para o cenário mundial. 

"É uma pulga boa que fica atrás da orelha sobre a convocação pois são mais jogadores podendo jogar em altíssimo nível. Nossa equipe é grande, são ótimos jogadores, os mais antigos que abraçaram os mais jovens. Ralff e Diogo mereceram o título em João Pessoa, tenho acompanhado a evolução deles, fruto do trabalho. Nada resiste ao trabalho, vão entrar bem confiantes para este torneio." 

Vinícius Font, número 1 do país, sétimo do mundo e ex-líder do ranking, teve problemas estomacais durante o Mundial no ano passado e o Brasil acabou sendo eliminado pela Espanha, e ficando com o sexto lugar. Para este ano, as expectativas são de voltar a estar entre os melhores e buscar o segundo título. O Brasil possui quatro jogadores entre os 10 melhores. "Rússia, Itália, Alemanha que já esteve melhor, Espanha que nos eliminou ano passado. Na América do Sul, temos a Venezuela que tem um bom time, mas não vem tendo renovação, está um pouco abaixo da nossa. Lá na Rússia é preciso estar muito focado pois é pouca quadra para treinar, muita gente, a alimentação na Rússia nem sempre é muito boa. O ranking é importante pois ele define se um país será cabeça de chave ou não. Se for de ranking baixo, perdemos o cabeça 2 e podemos pegar a Itália na semi. Mas com os jogadores que temos de opções, muito provável que sejamos o time 2º favorito. É um torneio complicado, tem torcida, técnico na quadra. Temos boas chances, mas é preciso estar muito focado." 

Narck comentou também sobre os jovens jogadores que vêm surgindo no país como Diogo Carneiro e sua aposta em Rafaella Muller que semanas após jogar o Mundial por equipes ano passado se tornou, junto com Joana Cortez, a única dupla não-italiana vencedora do Mundial de Duplas em Cervia, na Itália. 

"Não têm surgido jogadores muito novos, mas temos bom material humano de 22, 23 anos, caso do Diogo Carneiro que já está aí no circuito desde os 17, mas tem 20, 21, o Aírton da Paraíba está com 24, ótimo jogador. Temos bons nomes surgindo. Ano passado chamei para o Mundial a Rafaella Muller, que estava abaixo de 100 no ranking. Duas, três semanas depois, ela virou campeã mundial com a Joana e hoje é a 6ª do mundo. Temos que apostar em jogadores também que no momento não sejam, mas que estejam prestes a explodir e que explodam jogando pelo Brasil." 

O capitão destacou a importância da Copa Rio Beach Tennis, evento que só perde em tamanho para Aruba, que tem 1,2 mil atletas e uma semana de disputa. Para ele o torneio tem tudo para crescer e se tornar tradicional no país. "Sempre é bom ter torneios desse porte no Brasil, mostramos que sabemos organizar eventos. A estrutura é espetacular e está mostrando que tem condições de aumentar premiação, virar um torneio de US$ 15 mil ou até US$ 25 mil no próximo ano. É preciso que se crie uma tradição e por tudo que estou vendo aqui, tem tudo para marcar e ir acontecendo ano após ano e as pessoas combinarem sempre de jogar esta competição. Se continuar assim vai permanecer por muitos anos."

Comentários