Notícias | Dia a dia | Rio Open
Monteiro comemora vitória, mas com parcimônia
24/02/2017 às 08h00

Monteiro vai buscar um lugar na semi nesta sexta-feira

Foto: Fotojump
Felipe Priante

Rio de Janeiro (RJ) - Toda vitória sempre é muito comemorada, mas quando ela acontece diante de um compatriota e colega de treinos a intensidade da felicidade não é exatamente a mesma. Foi o que aconteceu nesta quinta-feira com o cearense Thiago Monteiro, que não escondeu o sorriso pelo triunfo sobre o paulista Thomaz Bellucci, mas foi um pouco mais contido do que de costume.

O próprio Thiago confessou que dentro de quadra foi o mesmo de costume. "É um jogo diferente, não vibrei tanto quanto de costume, não teve aquele apoio da torcida como normalmente tem e tive que puxar mais com a minha equipe e a minha família", explicou o cearense, que nas quartas de final terá que medir forças com o surpreendente norueguês Casper Ruud, de apenas 18 anos. 

"Eu acompanhei um pouco do final do jogo antes do nosso. Vai ser um jogo duro, ele vem em uma ótima semana, é um jogador novo e que está totalmente sem pressão aqui. Ele tem um jogo agressivo e um forehand perigoso", observou o canhoto de Fortaleza.

Monteiro viu uma partida de altos e baixos contra Bellucci nesta quinta. "Foi um jogo duro, comecei bem e depois ele voltou. Os dois estavam sacando bem e no tiebreak consegui salvar alguns set-points que foram cruciais para eu vencer o primeiro set. No segundo ele encaixou boas devoluções, mereceu me quebrar e conquistar a parcial", observou 

"Voltei forte para o terceiro e comecei quebrando, mantive a vantagem até o fim e conquistei essa vitória que é muito importante para mim. Foi uma experiência diferente, foi a primeira vez que enfrentei um brasileiro em um ATP, ainda mais o Bellucci, com quem tenho treinado bastante ultimamente. Entrei em quadra para fazer o meu melhor e consegui executá-lo", complementou Monteiro.

Questionado sobre a questão física de Bellucci na partida, ele disse não ter visto problemas. "Eu senti que ele aguentou bem fisicamente, teve um momento do terceiro que pediu um atendimento, mas nos treinos ele vem muito bem. Foi um jogo duro, longo e não sei se foi por causa do físico, mas me mantive forte até o fim", falou o cearense, que voltou a lamentar um duelo já na segunda rodada com o número 1 do Brasil. 

"Infelizmente a gente se encontrou cedo no torneio, na segunda rodada, e claro que estou muito feliz por essa vitória, mas ao mesmo tempo gostaria que ele avançasse mais", finalizou Monteiro, que com a campanha terá o mais alto ranking de sua carreira, indo pelo menos ao 75º posto e superando a marca anterior que foi o 80º.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series