fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andy Murray, Novak Djokovic, US Open Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andy Murray, Novak Djokovic, US Open Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andy Murray, Novak Djokovic, US Open tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/murray/0827_usopen_treina_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/murray/0827_usopen_treina_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | US Open
Murray quer manter o bom momento no US Open
27/08/2016 às 17h28
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/murray/0827_usopen_treina_int.jpg" title="Murray teve série de 22 vitórias encerrada na final de Cincinnati" />

Murray teve série de 22 vitórias encerrada na final de Cincinnati

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Nova York (EUA) - Se depender do que fez recentemente, o britânico Andy Murray pode ser apontado como o principal favorito para o US Open. O atual número 2 do mundo chega ao último Grand Slam da temporada embalado por excelentes resultados, entre eles o título de Wimbledon, o ouro olímpico e o vice-campeonato do Masters 1000 de Cincinnati.

O britânico reconhece que está em um grande momento e pretende mantê-lo para a disputa em Flushing Meadows. "Acho que desde Monte Carlo tenho jogado bem em todos os eventos que disputei. Não ganhei todos, mas sempre estive perto. Conquistei grandes vitórias contra grandes oponentes e tenho que manter o ritmo neste US Open, que é minha próxima grande meta". 

Murray não é o único bem cotado ao título nas quadras nova-iorquinas, tendo a companhia do sérvio Novak Djokovic, que reconhece toda a qualidade do rival. "Ele é um dos jogadores mais dedicados do circuito, sempre tenta melhorar seu jogo e acho isso muito legal. Se que se tiver que enfrentá-lo, será uma verdadeira batalha", opinou o número 1 do mundo.

Questionado sobre o novo teto do Arthur Ashe, o britânico disse ter gostado da novidade."Treinei sob o teto outro dia e foi bem legal. Ele se fecha bem rápido, assim como abre rápido. Para os jogadores é uma coisa boa, sem falar que também é para a TV, a mídia e os fãs", comentou Murray, que brincou com a situação. 

"Aposto que não vai chover este ano. Todo mundo ficou pedindo pelo teto nos últimos ano, eles gastaram US$ 500 milhões em um teto e não vai chover", ironizou o vice-líder da ATP, que também falou sobre o que mudou em sua vida desde que se tornou pai.

"O tênis deixou de ser a coisa mais importante na minha vida. Provavelmente, quando era mais novo e não tinha família, o tênis era a prioridade. Agora tenho uma perspectiva diferente, coloco menos pressão em mim mesmo e fico menos estressado durante as partidas", finalizou Murray, que estreia no US Open contra o tcheco Lukas Rosol.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series