fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Francesca Schiavone, Flavia Pennetta, Rio Open Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Francesca Schiavone, Flavia Pennetta, Rio Open Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Francesca Schiavone, Flavia Pennetta, Rio Open tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/schiavone/0217_rioopen_coletiva_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/schiavone/0217_rioopen_coletiva_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Rio Open
Schiavone deixa escapar tom de despedida
17/02/2016 às 21h23
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/schiavone/0217_rioopen_coletiva_int.jpg" title="Schiavone está nas quartas de final do Rio Open" />

Schiavone está nas quartas de final do Rio Open

Foto: João Pires/Fotojump
Felipe Priante
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Rio de Janeiro (RJ) - Apesar da vitória e da vaga nas quartas de final do Rio Open, a italiana Francesca Schiavone falou em tom de despedida na entrevista coletiva. Campeã de Roland Garros em 2010, ela demonstrou um tom levemente melancólico durante as respostas e foi bastante evasiva ao falar sobre sua expectativa de disputar os Jogos Olímpicos do Rio.

"É um caminho longo e as vezes acho que é muito longo. Depende de muita coisa e jogar bem aqui me da uma boa oportunidade de ir disputar outros torneios", declarou a italiana, que já foi número 4 do mundo e tem seis títulos no currículo. Ao ser questionada sobre o futuro, ela foi breve: "Não posso responde isso".

Sobre a vitória desta quarta, Schiavone comemorou o resultado, mas disse ter se incomodado bastante com as condições climáticas. "A umidade afeta muito o jogo e às vezes você se sente muito cansada, mas talvez a outra ficou mais cansada do que eu. Gosto destas condições, mas é preciso se cuidar bem para não perder muito líquido", falou a italiana.

Bastante contente de poder jogar novamente no Rio, ela elogiou a organização do torneio, mas deixou escapar uma leve alfinetada. "Quero ver se vão me deixar jogar na quadra central", disparou Schiavone.

Outro motivo de felicidade foi a presença da compatriota Flavia Pennetta, que estava na torcida. "Não a via desde de o US Open e aqui fomos à praia juntas. É legal porque crescemos juntas e ela é como se fosse minha é minha irmã menor. Temos uma relação que não é fácil ter no circuito. Flavia fez uma carreira espetacular e fico feliz por isso", comentou.

Schiavone espera que as conquistas dela e de Pennetta possam ajudar a impulsionar o tênis em seu país. "Na Itália os dois Grand Slam que vencemos criaram algum movimento, mas ainda não é o suficiente, não é como o futebol. Quem sabe as crianças não comecem a jogar mais tênis e venham novas campeãs", finalizou.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series