fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Esther Bueno, Jogos Olímpicos , Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Esther Bueno, Jogos Olímpicos , Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Esther Bueno, Jogos Olímpicos , tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/outros_assuntos/maria_esther_coletiva_rioopen_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/outros_assuntos/maria_esther_coletiva_rioopen_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Rio Open
Maria Esther ve dupla como maior chance olimpica
16/02/2016 às 16h13
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/outros_assuntos/maria_esther_coletiva_rioopen_int.jpg" title="Maria Esther lembrou da final mais rápida do US Open" />

Maria Esther lembrou da final mais rápida do US Open

Foto: Bruno Lorenzo/Fotojump
Felipe Priante
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Rio de Janeiro (RJ) - Os mineiros Bruno Soares e Marcelo Melo mais uma vez foram apontados como a grande esperança de medalha brasileira no tênis nos Jogo Olímpicos do Rio. Desta vez quem afirmo isso foi a lenda do tênis nacional Maria Esther Bueno, que recebeu uma homenagem nesta terça-feira no Jockey Club Brasileiro pelo aniversário de 50 anos de seu último título de simples em Grand Slam, conquistado no US Open de 1966.

"Os melhores tenistas virão para o Brasil e acho que a nossa maior chance é nas duplas com Marcelo e Bruno, que vêm jogando muito bem. Um é numero 1 do mundo e o outro vem de dois Grand Slam", observou a dona de sete títulos de Slam em simples e mais 11 nas duplas femininas.

Maria Esther não vai participar dos Jogos do Rio, mas estará presente dando nome à quadra principal do complexo olímpico. "O principal é receber essa homenagem em vida. Foi uma das grandes surpresas e fiquei tremendamente honrada por deixar meu nome lá. Foi uma grande vitória pelo reconhecimento. Espero que sirva de exemplo para as pessoas", declarou a multicampeã.

Além de falar sobre as Olimpíadas, ela também rememorou momentos de sua carreira, como a final do US Open de 1964, a mais rápida da história do torneio. "Não tinha cadeira nas viradas, não tinha publicidade para interromper a partida e quando o juiz falava para jogar íamos jogar na hora, sem enrolação", contou a brasileira.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series