fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Carlos Moya, Rafael Nadal, Novak Djokovic, Roger Federer, Conchita MartinezCopa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Carlos Moya, Rafael Nadal, Novak Djokovic, Roger Federer, Conchita MartinezCopa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Carlos Moya, Rafael Nadal, Novak Djokovic, Roger Federer, Conchita Martineztênis" /> fiogf49gjkf0d2015/lendas/moya_slice_exibicao_2012_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d2015/lendas/moya_slice_exibicao_2012_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Moyá vê chance de Slam para Nadal em 2016
29/11/2015 às 10h00
fiogf49gjkf0d
2015/lendas/moya_slice_exibicao_2012_int.jpg" title="Ex-número 1 destacou nível 'fora do normal' de Djokovic" />

Ex-número 1 destacou nível 'fora do normal' de Djokovic

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Madri (Espanha) - Depois de um ano complicado para o melhor jogador espanhol, o fim de temporada recuperou as expectativas sobre Rafael Nadal. Para Carlos Moyá, o compatriota deve voltar ao melhor nível em 2016 e é um dos candidatos a títulos de Grand Slam.

“Acho que ele recuperou seu melhor nível. Terminou os dois últimos meses em boa forma e veremos o melhor Nadal no ano que vem”, disse Moyá ao site AS.

Para o jogador que liderou o ranking em 1999, Nadal “tem chances de ganhar um Grand Slam”, mas voltar a ser número 1 é algo mais “sério”. Moyá explica sua posição citando o momento do sérvio Novak Djokovic, que faturou 11 títulos e fez 15 finais seguidas em 2015.

“Os títulos que conquistou falam por si e ele fez uma das melhores temporadas da história, sem dúvida. Djokovic está em um nível fora do normal. Nadal tem que esperar, mas se Djokovic seguir assim vai ser complicado. Chegará um momento que Djokovic vai baixar seu nível e Rafa terá oportunidade”, afirmou o espanhol.

Ainda sobre o momento em seu país, Moyá não vê a necessidade de Nadal trocar de técnico, pois o que “precisa é de estabilidade, e tem isso com a equipe que sempre o acompanhou”. Ele também defendeu a permanência de Conchita Martínez como capitã da Copa Davis. “Ela reuniu os melhores jogadores e todos estão contentes com ela. Não deveria ter motivo para que não continue”.

“É bom que Federer siga” - Moyá chegou a enfrentar Roger Federer em seu auge, em 1999, e em sete confrontos até 2007 nunca conseguiu derrotar o suíço. Aos 39 anos, o espanhol torce para que o ex-rival, aos 34 anos, continue no circuito.

“Ainda vejo Roger Federer competindo por mais uns dois anos, porque continua gostando do tênis e está jogando bem. Como espectador e amante do tênis, é bom que Federer siga, sem dúvida”, opinou.

Últimas notícias
Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis
ProSpin
Loja genérico