fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
David Goffin, Andy Murray, Kim Clijsters, Justine Henin, Copa DavisCopa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
David Goffin, Andy Murray, Kim Clijsters, Justine Henin, Copa DavisCopa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
David Goffin, Andy Murray, Kim Clijsters, Justine Henin, Copa Davistênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/goffin/1012_xangai_defende_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/goffin/1012_xangai_defende_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Goffin revela pressão: 'Belgas esperam outro nº 1'
19/10/2015 às 17h25
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/goffin/1012_xangai_defende_int.jpg" title="Belga está entre os 20 do mundo desde o ano passado" />

Belga está entre os 20 do mundo desde o ano passado

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Xangai (China) - Embora já esteja consolidado entre os 20 melhores do mundo desde a temporada passada e já tenha dois títulos de ATP aos 24 anos, David Goffin revelou que há uma pressão por resultados mais expressivos. Em entrevista ao jornal britânico Independent, o belga comentou que o fato de Kim Clijsters e Justine Henin terem liderado o ranking feminino na última década faz com que o público de seu país crie grande expectativa de que ele repita o sucesso entre os homens.

"Eu estou no top 20 há dois anos, mas até o ano passado isso não parecia o suficiente para as pessoas belgas" disse Goffin ao Independent, em entrevista realizada durante o Masters 1000 de Xangai. "Justine e Kim foram número 1 do mundo, então, depois depois disso as pessoas estavam esperando por outro número 1", acrescentou o belga, que é 16º no ranking da ATP e chegou a ocupar o 14º lugar em julho.

A razão pela qual a imprensa britânica se interesse pelo principal nome do tênis belga na atualidade, entretanto, tem a ver com sua presença na final da Copa Davis. Depois de 111, a Bélgica está de volta à série decisiva e receberá a Grã Bretanha de Andy Murray entre os dias 27 e 29 de novembro.

Durante todo o caminho até a final da Davis, a Bélgica teve a incomum situação de sempre jogar em casa, superando a suíça em Liege, o Canadá em Ostend e a Argentina em Bruxelas. Goffin conta que conforme a equipe se aproximava de igualar o histórico resultado de 1904, cresceu o envolvimento da torcida com a Copa Davis e ele espera que isso se repita na série decisiva.

"Nas primeiras duas rodadas o público belga não veio (em peso) para nos apoiar, mas quando chegamos na semifinal a atmosfera foi incrível", disse Goffin, a respeito da série diante dos argentinos, que foi decidida apenas no jogo 5, com vitória de Steve Darcis sobre Federico Delbonis. "A torcida na final será peça-chave".

Goffin também comentou a escolha do piso de saibro para a decisão, que será disputada na cidade de Ghent. Os jogos acontecem em quadra coberta na arena Flanders Expo, que terá capacidade para 13 mil pessoas.

"Foi uma decisão fácil", disse Goffin. "Eu tenho jogado no saibro a cada verão desde que eu tinha cinco anos de idade. É uma superfície fácil para nós", explicou. "É por isso que depois da temporada de quadra dura é fácil deslizar no saibro depois de um ou dois dias para nós".

Últimas notícias
Comentários
Loja - camisetas
Arena BTG
ProSpin