fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Sharapova, Roland Garros, Serena Williams, Kaia Kanepi, Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Sharapova, Roland Garros, Serena Williams, Kaia Kanepi, Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Sharapova, Roland Garros, Serena Williams, Kaia Kanepi, tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/sharapova/0514_roma_beijinho_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/sharapova/0514_roma_beijinho_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Para Sharapova dominar o saibro é uma conquista
23/05/2015 às 18h08
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/sharapova/0514_roma_beijinho_int.jpg" title="Sharapova acumula conquistas no saibro desde 2011" />

Sharapova acumula conquistas no saibro desde 2011

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Paris (França) - A cada ano, Maria Sharapova tem mostrado cada vez mais candidata a dominar as quadras de saibro no circuito. E mesmo depois de um começo um pouco abaixo do esperado nos primeiros torneios sobre o piso, a russa chega a Roland Garros embalada por um título convincente em Roma, onde sequer precisou jogar seu melhor tênis.

Ela que antes se chamava de "vaca no gelo" no início da carreira, venceu de 2011 até hoje dois títulos em Roland Garros, três em Roma e Stuttgart e um em Madri. Para Sharapova, uma conquisa pessoal, motivada por um amadurecimento e evolução no circuito.

"Acho que evoluí como jogadora e como pessoa. Eu ganhei meu primeiro Grand Slam muito jovem", disse a russa, ao lembrar do título de Wimbledon em 2004, quando tinha apenas 17 anos.

"Eu gosto de jogar em quadras rápidas com pontos rápidos, e ainda não era desenvolvida fisicamente. Eu ainda estava crescendo nessa fase. Eu não era tão forte como eu sou hoje", avaliou a jogadora russa, que completou 28 anos em abril e já tem cinco títulos de Grand Slam no currículo.

"Com a evolução das quadras, das tecnologias e do jogo em si, as coisas mudaram. Foi uma grande surpresa e uma conquista pessoal para mim. Porque eu fui capaz de transformar algo que sempre foi um grande fraqueza e em um dos meus pontos fortes", complementou a atual número 2 do mundo.

Perguntada se o saibro seria a melhor superfície para derrotar Serena Williams, a quem não supera há mais de dez anos, Sharapova afirma que esta não é sua prioridade. E que a concorrência no circuito é cada vez mais forte.

"Não é algo que eu foco. Eu tento melhorar a mim mesma e meu jogo em cada superfície. Eu sou desafiada por outras jogadoras", contou Sharapova, que tem em seu caminho em Paris nomes como Samantha Stosur, Garbine Muguruza e Carla Suárez Navarro.

"Quero melhorar, porque as outas estão em um nível muito alto. Mas eu nunca pensar sobre o que os meus melhores chances estão na grama ou aqui ou na lua ou em outro lugar", completou Sharapova, que estreia na competição contra Kaia Kanepi e só pode encontrar Serena em eventual final.

 

Últimas notícias
Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis
ProSpin
Loja genérico