fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Robin Soderling, Rafael Nadal, Roland Garros, Novak Djokovic, Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Robin Soderling, Rafael Nadal, Roland Garros, Novak Djokovic, Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Robin Soderling, Rafael Nadal, Roland Garros, Novak Djokovic, tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2011/soderling/0530_rg_back_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2011/soderling/0530_rg_back_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Soderling quer revés de Nadal para encerrar 'lenda'
20/05/2015 às 11h50
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2011/soderling/0530_rg_back_int.jpg" title="Sueco não joga desde 2011 e não garante retorno" />

Sueco não joga desde 2011 e não garante retorno

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Londres (Inglaterra) - O sueco Robin Soderling já foi número 4 do mundo, conquistou 10 títulos, fez duas finais em Roland Garros e venceu 310 partidas no circuito. Porém, ainda tem o seu nome reconhecido por apenas uma dessas partidas. Ele é o único jogador que derrotou o espanhol Rafael Nadal em Roland Garros em 10 aparições do “rei do saibro” em Paris.

“Talvez seja melhor que Rafa perca de novo, assim todo mundo vai parar de me perguntar sobre isso”, afirma Soderling ao Daily Mail, esperando que o momento instável do espanhol se confirme nas próximas semanas. “Virou uma espécie de lenda e as pessoas às vezes entendem errado. Alguns acham que eu sou a única pessoa a batê-lo em todos os tempos no tênis”.

O retrospecto do espanhol no Grand Slam francês é de incríveis 66 vitórias e um revés, nas oitavas de final em 2009. O sueco, que foi vice naquele ano e na temporada seguinte, admite que gostaria de ser lembrado não apenas por aqueles quatro sets.

“Eu tenho muito orgulho de muitas outras coisas na minha carreira: ser top 5, alcançar a final de um Grand Slam duas vezes. Tenho até mais orgulho de ter feito a final em 2010 do que no ano anterior, porque defender aqueles pontos foi um grande desafio”, lembrou.

Até hoje, o sueco ouve teorias sobre alguma lesão de Nadal para ter sido derrotado por um jogador que ocupava apenas a 25ª posição no ranking e disputava as oitavas de final de um Grand Slam pela primeira vez. “Alguns dizem que ele deveria estar lesionado. Eu não me lembro disso. Eu joguei muito bem e quando você chega nas rodadas finais de Slam todo mundo está um pouco lesionado. Eu me lembro de dores no joelho e estava um pouco cansado”.

Para que o rótulo finalmente desgrude do seu nome, Soderling vê o sérvio Novak Djokovic como o favorito em Paris e dá a receita para derrotar Nadal, admitindo, é claro, que não é uma tarefa fácil.

“Para ter uma chance de batê-lo você tem que ser muito agressivo, aproveitar as suas chances e empurrá-lo para trás na quadra. Acho que ganhar do Nadal no saibro é uma coisa e ganhar do Nadal no saibro, em melhor de cinco sets, é outra. É quase impossível e isso diz mais sobre ele do que sobre mim. Mas não ficaria surpreso se isso acontecesse (neste ano)”, explica.

Soderling disputou sua última partida no circuito ao conquistar o ATP 250 de Bastad, em julho de 2011. Desde então, se afastou das quadras com mononucleose. Com um filho e outro a caminho, ele conta que não se sente pronto para voltar.

“Eu me sinto 90% e não dá para jogar o circuito sem estar 100%. A prioridade é ficar saudável. Se eu conseguir treinar, vou tentar. Mas agora eu sei que não é o fim do mundo se eu não jogar de novo”.

Últimas notícias
Comentários
Loja - camisetas
Arena BTG
ProSpin