fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Rafael Nadal, Novak Djokovic, Steve Johnson, Alejandro Gonzalez, Masters 1000 de MadriCopa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Rafael Nadal, Novak Djokovic, Steve Johnson, Alejandro Gonzalez, Masters 1000 de MadriCopa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Rafael Nadal, Novak Djokovic, Steve Johnson, Alejandro Gonzalez, Masters 1000 de Madritênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/nadal/0502_madri_fore_treino_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/nadal/0502_madri_fore_treino_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Nadal volta à antiga raquete e prevê saída do top 5
03/05/2015 às 18h48
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/nadal/0502_madri_fore_treino_int.jpg" title="Espanhol defende 3.600 pontos em cinco semanas" />

Espanhol defende 3.600 pontos em cinco semanas

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Madri (Espanha) - O espanhol Rafael Nadal continua à procura de soluções para o momento ruim que atravessa no circuito. Antes das cinco semanas mais importantes na defesa de pontos no saibro europeu, o número 4 do mundo voltará a jogar com a raquete antiga e diz que é “evidente” que deixará o top 5.

“Vamos ver até onde é a queda quando terminar Roland Garros”, disse o canhoto antes de iniciar a defesa do título no Masters 1000 de Madri. Para Nadal, porém, essa não é a maior preocupação no momento.

“Você deve esperar mais pressão quando defende pontos. Eu deveria ter defendido esses pontos muitas semanas atrás, não agora. Mas não estou preocupado, é parte do esporte. Às vezes, com lesões que demoraram mais, eu mantive o ranking porque voltei e consegui ganhar (muitos jogos). Desta vez não consegui”, lembrou.

O espanhol soma 5.390 pontos na lista da ATP nesta semana. Com o título em Madri e o vice em Roma, na próxima semana, tem 1.600 para defender, além de 2000 pela conquista de Roland Garros, que serão descontados no início de junho. O cenário mais pessimista, com derrotas nas primeiras fases, derrubaria Nadal para perto dos 15 melhores do mundo.

O ex-número 1 testou uma nova raquete no Masters 1000 de Monte Carlo e no ATP 500 de Barcelona. Porém, menos de um mês depois, decidiu voltar a jogar com a antiga até o final da temporada, quando terá mais tempo para se adaptar ao novo equipamento.

“Estou mudando porque jogo há muitos anos com essa raquete e tive muito pouco tempo para jogar com a nova. Eu sei que a outra raquete é a certa e vou jogar bem com ela no futuro. Tive poucos dias para me preparar (com a nova raquete) antes de Monte Carlo. Apesar de ter jogado muito bem lá, sei que aqui há mais altitude e tenho menos controle com ela”, explicou.

O espanhol também admitiu que a ausência do sérvio Novak Djokovic, número 1 do mundo, abre chances para outros jogadores em Madri. Mas não para ele, que ainda precisa recuperar a condiança.

“Quando eu ganhar jogos vou ter a confiança de volta. Quero jogar e treinar bem, dar o meu melhor para ter um bom ritmo de jogo. É claro (que Djokovic) deixa uma porta aberta. Para mim não, mas para quem vem jogando bem e que tem caído contra ele nas quartas ou na semifinal”, analisou.

Como cabeça de chave 3, Nadal sai uma rodada adiantado e espera o norte-americano Steve Johnson, 54º, ou qualifier colombiano Alejandro Gonzalez, 106º. Ele nunca enfrentou nenhum dos jogadores.

Últimas notícias
Comentários
Raquete novo
Suzana Silva
ProSpin