fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Steffi Graf, Maria Sharapova, Australian Open, Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Steffi Graf, Maria Sharapova, Australian Open, Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Steffi Graf, Maria Sharapova, Australian Open, tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0131_ausopen_trofeu_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0131_ausopen_trofeu_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Australian Open
Serena sobre marca de Graf: 'Adoraria chegar a 22'
31/01/2015 às 17h01
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0131_ausopen_trofeu_int.jpg" title="Com 19 taças, Serena é a 3ª maior vencedora em Slam" />

Com 19 taças, Serena é a 3ª maior vencedora em Slam

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Melbourne (Austrália) - O espírito vencedor da norte-americana Serena Williams faz com que ela queira sempre conquistar mais coisas. Pouco tempo depois de vencer o Australian Open, onde faturou sua 19ª taça de Grand Slam, a número 1 do mundo já se mostrou pensando em ampliar o currículo. Terceira maior vencedora neste nível, ao lado da amadora Helen Wills Moody, ela está de olho na marca da alemã Steffi Graf, que com 22 títulos é a segunda da lista. A única à frente delas é a australiana Margaret Smith Court, com 24.

Apesar de querer buscar as 22 conquistas de Graf, a caçula das irmãs Williams sabe que não é nada fácil conseguir este feito. “Adoraria chegar aos 22. Por enquanto estou com 19, o que já é bem difícil, levei 33 anos para conseguir isso. Primeiro tenho que chegar aos 20, depois 21”, comentou a norte-americana, que terá sua próxima chance em Roland Garros. “Quando penso em Paris, não penso no 20 e sim em tentar ganhar lá. É o único Slam que não venci mais do que duas vezes”, declarou.

Para buscar novos títulos de Slam, a norte-americana pretende diminuir seu calendário de torneios. “Não vou jogar tanto quanto no ano passado, quero focar mais os torneios que for disputar”, revelou Serena, que não chegou em Melbourne tão confiante, embora tivesse entrado no Australian Open como cabeça de chave número 1 e uma das jogadoras mais bem cotadas para a conquista. Por isso, a felicidade foi bastante grande.

“É uma sensação muito boa estar aqui sentada como campeã. Definitivamente não esperava isso no começo do torneio”, disse a número 1. Outro fator que a deixou ainda mais desconfiante foi uma virose que pegou durante a campanha em Melbourne. “Não estava me sentindo muito bem. Toda vez que começava a melhorar, piorava no dia seguinte, foram muitos altos e baixos”, comentou a caçula das Williams.

Na final deste sábado, Serena se viu vítima dos problemas de saúde. Ela aproveitou a pausa para o fechamento do teto, quando começou a chover, para ir ao banheiro vomitar. “Nunca tinha feito isso antes, acho que foi a primeira vez. Isso me ajudou, pois passei a me sentir melhor”, analisou a norte-americana, que foi medicada com um xarope para tosse. Ao ser questionada se precisaria pedir um tempo para sair de quadra se não houvesse paralização, ela oi direta: “Talvez eu tivesse feito em quadra”.

Sobre o duelo com a russa Maria Sharapova, contra quem anotou a 16ª vitória seguida, Serena revelou estar mais nervosa do que o normal em finais de Grand Slam. “Cometi alguns erros que não costumo no tiebreak, errei alguns golpes que normalmente eu acerto. A partida ficou mais difícil no segundo set, Maria passou a jogar muito melhor, foi um pouco mais agressiva. Acho também que fiquei mais passiva, apenas tentando passar a bola. Mas também saquei melhor, pois sabia que meus golpes não estavam entrando da maneira como eu gostaria”, declarou.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series