fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Venus Williams, Camila Giorgi, Agnieszka Radwanska, Australian Open, Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Venus Williams, Camila Giorgi, Agnieszka Radwanska, Australian Open, Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Venus Williams, Camila Giorgi, Agnieszka Radwanska, Australian Open, tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/venus/0124_ausopen_vibra_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/venus/0124_ausopen_vibra_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Australian Open
Venus comemora segunda semana, mas quer mais
24/01/2015 às 07h06
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/venus/0124_ausopen_vibra_int.jpg" title="Venus faz sua melhor campanha em Slam em 3 anos" />

Venus faz sua melhor campanha em Slam em 3 anos

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Melbourne (Austrália) - Pela primeira vez desde 2011, em Wimbledon, a norte-americana Venus Williams conseguiu vencer suas três primeiras partidas e chegou a uma segunda semana de Grand Slam. Apesar do longo período de quedas precoces, a ex-número 1 do mundo não se deslumbra com a campanha obtida neste Australian Open e quer ir além da quarta rodada.

“Já venci grandes torneios, não é algo que eu não tenha feito. É muito legal chegar à segunda semana, mas a quarta rodada não é minha meta quando chego nesses torneios”, declarou a mais velha das irmãs Williams, que garantiu seu lugar nas oitavas de final em Melbourne ao derrubar de virada a italiana Camila Giorgi.

“Sempre acreditei na minha capacidade, mas algumas vezes os resultados não acontecem por algum motivo”, comentou a norte americana, que elogiou a adversária deste sábado. “Ela jogou muito bem, foi muito agressiva e tudo estava funcionando. Nunca a tinha enfrentado e por isso foi desafiador entrar no ritmo”, afirmou Venus.

A norte-americana gostou tanto do que apresentou Giorgi no decorrer da partida que acredita que a italiana possa ocupar uma posição melhor do que a atual 33ª que detém no ranking da WTA. “Ela tem potencial para ser top 10, com certeza. Joga muito bem, tem boa movimentação e parece trabalhar duro. É mais uma questão de como você lida com a pressão”, observou.

No duelo com a italiana, Venus viveu uma situação complicada no segundo set. Depois de ter perdido o primeiro, ela chegou salvar três break-points sacando em 2/4, partindo daí para sua recuperação. “Nesses momentos você está tão concentrada no jogo que, mesmo sabendo o placar, não se liga tanto nele”.

Pelas oitavas de final, a norte-americana terá um páreo duro contra a polonês Agnieszka Radwanska, que não a amedronta muito, mesmo estando trabalhando agora com a tcheca naturalizada norte-americana Martina Navratilova. “Sempre tive chances contra ela, que tem um estilo bem diferente do que eu enfrentei hoje. Eu costumo dominar os pontos, que é algo que gosto de fazer. Acho que tenho que ir para o jogo e tentar os meus golpes”, afirmou Venus.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series