fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Rafael Nadal, Stefan Edberg, Roger Federer, Novak Djokovic, Boris BeckerCopa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Rafael Nadal, Stefan Edberg, Roger Federer, Novak Djokovic, Boris BeckerCopa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Rafael Nadal, Stefan Edberg, Roger Federer, Novak Djokovic, Boris Beckertênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2013/nadal/1228_abudhabi_back_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2013/nadal/1228_abudhabi_back_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Nadal: 'Nunca precisei de uma lenda como treinador'
29/12/2013 às 11h07
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2013/nadal/1228_abudhabi_back_int.jpg" title="Nadal diz que lendas ajudam só na auto-confiança" />

Nadal diz que lendas ajudam só na auto-confiança

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Abu Dhabi (Emirados Árabes) - Rafael Nadal certamente não entrará na 'onda' de contratações de treinadores ex-número 1 do mundo. O espanhol comentou em Abu Dhabi que não vê tanta importância no papel de um técnico. Recentemente, Roger Federer e Novak Djokovic trouxeram 'lendas' dos anos 80 para ajudá-los, algo que Andy Murray já havia feito em 2012 com Ivan Lendl.

"Acho que depende de cada jogador. O técnico não é tão importante assim no tênis. Não estamos fazendo algo tão difícil. Tênis é um jogo simples no fim das contas", disse Nadal. "O que mais importa é o jogador, não o treinador. No meu caso, nunca precisei de um campeão do passado para me treinar. Há maneiras diferentes de achar seu treinador certo".

O número 1 do mundo acredita que Stefan Edberg, Boris Becker e Lendl ajudam mais como motivadores do que na questão técnica. "Alguns jogadores precisam de um cara que foi um grande campeão no passado para acreditarem neles mesmos. Eu, por exemplo, não preciso de uma lenda me treinando para confiar que a pessoa está falando as coisas certas", alfinetou.

Sobre sua participação em Abu Dhabi, onde ficou em terceiro lugar, Nadal revelou que a falta de ritmo prejudicou seu desempenho na derrota para David Ferrer. "Depois do final da temporada, trabalhei um pouco no meu joelho, fiz tratamento. Estou feliz com o resultado. Estou melhor, mas treinei pouco na última semana. Não é o suficiente para enfrentar o número 3 do mundo".

Porém, o espanhol viu uma evolução no jogo vencido diante de Jo-Wilfried Tsonga. "Não tive chance de devolver no primeiro set porque o saque dele estava muito rápido. Consegui jogar mais os pontos no segundo e comecei a encontrar o ritmo no backhand", analisou.  "Foi um pouco melhor comparado a ontem, mas ainda há coisas a serem melhoradas. No geral, a quadra estava muito rápida. Quando você não está 100% e a quadra está assim, tudo bem. Mas fui sólido no saque".

Nadal disputa nesta semana o ATP 250 de Doha, onde estreia contra o tcheco Lukas Rosol.

Últimas notícias
Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva
ProSpin