fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Sharapova, Jimmy Connors , Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Sharapova, Jimmy Connors , Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Maria Sharapova, Jimmy Connors , tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2013/sharapova/0813_cincy_olhacima_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2013/sharapova/0813_cincy_olhacima_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
'Jimmy veio na hora errada', explica Sharapova
16/12/2013 às 15h55
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2013/sharapova/0813_cincy_olhacima_int.jpg" title="Parceria da russa com Connors durou somente um jogo" />

Parceria da russa com Connors durou somente um jogo

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Brandenton (EUA) - Uma das situações mais curiosas da temporada foi a passagem relâmpago de Jimmy Connors como técnico da russa Maria Sharapova. Os dois ficaram juntos apenas por alguns dias e uma partida, a derrota da musa siberiana na estreia no Premier de Cincinnati. Logo após isso, a ex-número 1 do mundo demitiu o norte-americano e se afastou do circuito para se recuperar de lesão no ombro.

"Jimmy veio na hora errada e no lugar errado", lamentou a russa, que atribuiu à sua própria atitude o fato de não ter dado certo a parceria com Connors. "Sabia que poderia não jogar o US Open e, como atleta, é difícil digerir isso. Não estava nada feliz com a situação e o coloquei em uma posição complicada", explicou Sharapova em entrevista ao New York Times.

A russa lembrou que os problemas no ombro começaram em maio e foram se agravando com o decorrer da temporada, principalmente porque ela teve muito sucesso no período em que a lesão passou a incomodar: fez finais em Madri e Roland Garros e parou nas quartas em Roma. "Não estava saudável e o ombro tinha sido desgastado em excesso", observou a atual número 4 do mundo.

"Não sei como consegui lidar com a dor em Madri e Roma. Neste último, depois de enfrentar Sloane Stephens eu pensei: 'Não tem como. Meu ombro está me matando, dói muito cada vez que vou sacar", declarou a russa. Além disso, ela revelou que o problema a deixava mais sensível a mudanças de clima e bolas.

Embora não tenha dado certo com Connors, a russa destacou que ele foi dos jogadores mais bem sucedidos na história e que acabou o colocando em uma situação difícil. Agora, a siberiana está ao lado do holandês Sven Groeneveld, que segundo o agente de Maria, transforma o seu time em uma verdadeira cúpula das Nações Unidas. O alemão Dieter Kindlmann é o parceiro de treinos tendo ainda o fisioterapeuta francês Jérôme Bianchi e a preparadora física japonesa Yutaka Nakamura.

"Tenho um novo time agora e vou me esforçar ao máximo nesse retorno, para entrar em quadra como se nada tivesse acontecido", comentou a russa, já de olho na próxima temporada. Sem jogar desde Cincinnati, recentemente ela disputou uma exibição contra a sérvia Ana Ivanovic em seu retorno às quadras. "Trabalhei muito e não estaria de volta se não tivesse certeza de que posso alcançar meus objetivos", falou Sharapova.

Sharapova destacou que o problema que a tirou de ação por quase todo os segundo semestre foi menor ao que a levou a operar o ombro. "Desta vez foi bem menos grave do que antes, isso já é uma coisa muito importante", declarou a russa, que comemorou não precisado passar pela sala de operações. "Acho que quando você faz uma cirurgia, seja lá em que parte do corpo for, você nunca vai voltar a ser a mesma", encerrou.

Últimas notícias
Comentários
Raquete novo
Suzana Silva
ProSpin